Covid: chefe da OMS diz que doença causada pela Ômicron não deve ser classificada como 'leve"

7 de janeiro de 2022

link=mailto:?subject=Covid:%20chefe%20da%20OMS%20diz%20que%20doença%20causada%20pela%20Ômicron%20não%20deve%20ser%20classificada%20como%20'leve"%20–%20Wikinotícias&body=Covid:%20chefe%20da%20OMS%20diz%20que%20doença%20causada%20pela%20Ômicron%20não%20deve%20ser%20classificada%20como%20'leve":%0Ahttps://pt.wikinews.org/wiki/Covid:_chefe_da_OMS_diz_que_doen%C3%A7a_causada_pela_%C3%94micron_n%C3%A3o_deve_ser_classificada_como_%27leve%22%0A%0ADe%20Wikinotícias Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

“Embora o Ômicron pareça ser menos grave em comparação com a Delta, especialmente nos vacinados, isso não significa que deva ser classificada como 'leve'. Assim como as variantes anteriores, a Ômicron está hospitalizando pessoas e está matando pessoas", disse hoje Tedros Adhanom Ghebreyesus, chefe da OMS, durante uma coletiva de imprensa periódica.

Apesar de análises indicarem que ela causa menos casos graves, a Ômicron é mais contagiosa, o que está levando à infecção de milhões de pessoas no mundo todo, numa nova onda da pandemia de covid-19. Nas Américas, segundo a OPAS, de 19 a 25 de dezembro os casos da doença aumentaram 50% e as mortes, 11%, sendo que 27 países e territórios do continente relatavam casos desta variante.

Segundo dados do Our World In Data, em diversos países, incluindo o Brasil, a Ômicron já é dominante, ou seja, é a responsável pela maioria dos casos de covid nas últimas semanas. No Reino Unido esta taxa chega a 96%, na África do Sul, a 94%, na França, a 80% e no Brasil, a 58%.

Primeira morte no Brasil

Goiás reportou ontem ao Ministério da Saúde a primeira morte no país causada pela Ômicron. A vítima foi um homem de 68 anos de idade, com comorbidades.

Notícias Relacionadas

Fontes