Covid-19: após investigação, BBC confirma o que Wikinotícias já apontava, que mortes na África estão subnotificadas

1 de março de 2021

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

"O continente que não conta seus mortos", escreveu a BBC no título de uma matéria investigativa que fez sobre a covid-19 na África, apontando logo no início que apenas oito entre os 50 países africanos têm um sistema adequado para registro e, assim, a contagem de óbitos.

Segundo a publicação estes países são o Egito, Tunísia, África do Sul, Argélia, Cabo Verde, São Tomé e Príncipe, Seichelles e Ilhas Maurício. Nos outros, conforme a reportagem, muitas vezes as mortes, de todas as causas, são registradas em papel, mas não em sistemas computadorizados, o que impede a existência de números a níveis nacionais.

Isto confirma dados já levantados pela Wikinotícias, de que o continente não era o caso de sucesso que parecia ser no combate à pandemia de covid-19, mas um caso grave de subnotificações.

"Durante meses se reportou a baixa taxa de mortes por covid-19, apontando causas como a experiência do continente em lidar com pandemias, a população ser formada principalmente por jovens e a imunidade cruzada adquirida através da contaminação por outros coronavírus" mas cientistas argumentam que é impossível quantificar dados como o "excesso de mortes" no continente, já que os países não têm sistemas de registro adequados", enfatizou a BBC.

Dados reveladores

Dados de países africanos que possuem registros organizados, como a África do Sul, podem revelar que as mortes por covid-19 no continente podem ser dezenas de vezes maiores.

Segundo a BBC, a África do Sul, por exemplo, registrou um excesso de mortes de 138 mil pessoas no último ano, o que é quase o triplo das estatísticas oficiais da covid-19, uma vez que o país notificou cerca de 46.200 óbitos tendo como causa a covid-19. "Isto significa que houve 91.500 mortes a mais que ou não foram corretamente diagnosticadas ou foram de pessoas que morreram em consequência indireta da pandemia", como, por exemplo, ir a óbito por não procurar hospitais devido o medo da contaminação pelo Sars-Cov-2.

Já no Egito, outro país com o sistema funcional, houve um excesso de 68.000 mortes apenas entre maio e junho de 2020, reporta a rede de notícias.

Nota: o excesso de mortes se refere ao número de óbitos acima do esperado dentro de um determinado período. O número esperado é calculado com base em estatísticas anteriores.

Subnotificações claras

Segundo a BBC, a Nigéria é um caso claro de subnotificações. Tendo registrado apenas 10% das mortes em 2017, a covid-19 parou o sistema de registro de óbitos completamente em 2020.

Comparativamente, o país, o mais populoso do continente, tem apenas 9 mortes por covid-19 para cada milhão de pessoas, o que é muito abaixo da média global de 326 e ainda mais abaixo da média da África do Sul, com 836.

Nota: as taxas globais foram atualizadas pela Wikinotícias com base nos dados de hoje do Worldometer.

Notícias Relacionadas

Fontes