Covid-19: chefe da OMS critica Tanzânia por falta de informações e medidas protetivas

21 de fevereiro de 2021

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

Tedros Adhanom, diretor-geral da OMS, emitiu um comunicado ontem criticando a Tanzânia por sua inércia frente à pandemia de Covid-19.

No texto, Tedros escreveu que desde janeiro tem exortado o país a tomar medidas de saúde pública contra a covid e a se preparar para a vacinação, além de ter incentivado o governo a compartilhar dados sobre a pandemia. "Mas a OMS ainda não recebeu nenhuma informação", anunciou.

"Esta situação continua muito preocupante. (...) Vários tanzanianos que viajam para países vizinhos e outros têm testado positivo para covid-19. Isso ressalta a necessidade da Tanzânia tomar medidas robustas para salvaguardar seu próprio povo e proteger as populações desses países e de outros lugares", enfatizou Tedros na declaração.

O governo da Tanzânia decretou o fim da pandemia em abril de 2020, creditando o sucesso a Deus. Além disto, semanas atrás o presidente do país, John Magufuli, atacou as vacinas covid-19. Num discurso na TV ele disse: "Temos que ser muito prudentes com estas vacinas importadas. Se esta gente foi capaz de descobrir vacinas contra o coronavírus, também deveria haver outras para a malária, o câncer, a tuberculose e o HIV. Estas vacinas são perigosas para a nossa saúde e o Ministério da Saúde não deveria se precipitar”.

A Tanzânia é um caso que ilustra bem o que pode estar acontecendo no Continente Africano, até agora com um baixo número de contaminados e mortes se comparado a outros continentes: é um caso de subnotificação, situação que já preocupava as autoridades de saúde mundiais em março de 2020, quando a pandemia começou a piorar no mundo todo, mas que não havia merecido qualquer menção da OMS, OMS-África e da União Africana nos últimos meses.

Notícias Relacionadas

Fontes