Conflito de Cabo Delgado coloca mais de um milhão de pessoas dependentes de ajuda

24 de fevereiro de 2021

United Nations Office for the Coordination of Humanitarian Affairs Logo.svg
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

O conflito armado em Cabo Delgado coloca, pelo menos, 1,3 milhões de pessoas dependentes de assistência humanitária e proteção urgente, no norte de Moçambique, indica uma análise das Nações Unidas.

O Escritório das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA), que fez a análise, diz que, até final de 2020, cerca de 670 mil pessoas estão na condição de deslocadas internas nas províncias Cabo Delgado, Niassa e Nampula.

Tal é resultado directo de ataques de insurgentes aliados ao Estado Islâmico, iniciados, em 2017, que aumentaram substancialmente, tendo mais de 570 sido registados ao longo de 2020.

Os violentos incidentes provocaram a morte de mais de mais de 2.000 indivíduos, na maioria indefesos. Muitos foram decapitados.

O OCHA, na sua análise, diz que cerca de 950 mil pessoas das três províncias enfrentam fome severa, por o conflito ter contribuído para a queda de produção para a subsistência.

Segundo o informe do OCHA, nos seus ataques, os insurgentes danificaram ou provocaram a paralisação de 36 por cento das unidades de saúde em Cabo Delgado.

Por exemplo, nos distritos de Mocímboa da Praia, Macomia, Muidumbe e Quissanga não há unidades de saúde em funcionamento.

Nesse cenário, o OCHA alerta que os deslocados internos podem enfrentar mais dificuldades de saúde, havendo, na região, já o registo de mais de 4.916 casos de cólera e 55 mortes provocadas por esta doença, a maioria no distrito de Metuge.

Além da detecção e tratamento de cólera, nos distritos mais afectados há dificuldades de responder à questões relacionadas com saúde sexual e reprodutiva, atendimento a pessoas pessoas vivendo com HIV ou tratamento da tuberculose.

Nos vários acampamentos de deslocados há igualmente uma crescente preocupação com a Covid-19.

Notícias Relacionadas

Fontes