Brasil: governo está monitorando as atividades de deputados, jornalistas e influenciadores digitais; Câmara quer explicações

3 de dezembro de 2020

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

Deputados da oposição protestaram nesta quinta-feira (03/12), no Plenário da Câmara, contra notícias de que o governo está monitorando as atividades de deputados, jornalistas, economistas e influenciadores em mídias sociais. A liderança do governo não se pronunciou.

As deputadas Érika Kokay (PT-DF) e Jandira Feghali (PCdoB-RJ) anunciaram que estão colhendo assinaturas para formar a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) dos Detratores, nome como são identificados os influenciadores que se posicionam contra o governo em seus perfis públicos em mídias sociais.

Para Jandira Feghali, o fato é mais grave por envolver o gasto de dinheiro público com contratações de empresas privadas. "Não basta argumentar que são clipagens. Clipagem não se faz assim, clipagem é natural em qualquer governo, existe assessoria de imprensa para isso", refutou.

"Certamente, é algo inconstitucional e tem que ser averiguado. Conte sempre com o meu apoio", respondeu o deputado Luís Miranda (DEM-DF), que presidia a sessão.

Érika Kokay destacou que o contrato do governo com a empresa de monitoramento de mídias sociais é de R$ 2,7 milhões. "Há que se estabelecer aqui, sim, a CPI para investigar lista de detratores, esses que estão sendo perseguidos, na mais nítida expressão do arbítrio de quem desrespeita a Constituição, tira e coloca a democracia para dançar na beira do abismo."

Já a líder do Psol, Sâmia Bomfim (SP), afirmou que seu partido entrou com uma representação na Procuradoria-Geral da República para apurar as informações. Para a deputada, o monitoramento ameaça a liberdade de expressão. "Isso é um rompimento completo das liberdades democráticas. As redes sociais são um instrumento sim para manifestar as nossas opiniões", disse.

Segundo Sâmia Bomfim, as informações sobre o monitoramento teriam sido fornecidas para o ministro da Economia, Paulo Guedes, e para o próprio presidente Jair Bolsonaro. "São 116 parlamentares monitorados. Eu estou entre eles, assim como vários parlamentares do Psol. Mas há também vários parlamentares da base do governo."

Notícias Relacionadas

Fontes

  A Câmara Federal do Brasil libera seu conteúdo que "é aberto e pode ser reproduzido, desde que a fonte 'Agência Câmara de Notícias' seja citada", conforme aviso ao copiar a notícia.


Compartilhe
essa notícia: