Relatório divulgado pelos EU prova que príncipe da Arábia Saudita está envolvido na morte do jornalista Jamal Khashoggi

26 de fevereiro de 2021

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

Por Voa News

Os Estados Unidos (EU) divulgaram esta sexta-feira um relatório de inteligência desclassificado que destaca que o poderoso príncipe herdeiro da Arábia Saudita, Mohammed bin Salman, aprovou o assassinato do dissidente saudita e jornalista do Washington Post Jamal Khashoggi no consulado do reino na Turquia.

Khashoggi foi atraído para o consulado saudita em Istambul a 2 de outubro de 2018 e morto por agentes ligados ao príncipe herdeiro. O seu corpo foi desmembrado e os seus restos mortais nunca foram encontrados. Riade acabou admitindo que Khashoggi foi morto por engano no que chamou de operação desonesta, mas negou o envolvimento do príncipe herdeiro.

O papel do príncipe herdeiro, frequentemente referido pelas suas iniciais, MBS, na morte de Khashoggi tem sido motivo de reportagens desde o final de 2018.

A Diretora de Inteligência Nacional dos EUA, Avril Haines, disse em comunicado hoje, sexta-feira, que o relatório foi "coordenado com a Comunidade de Inteligência e as informações foram desclassificadas o máximo possível, embora ainda protegendo as fontes e métodos críticos do CI".

O Presidente dos EU, Joe Biden, conversou na quinta-feira com o rei Salman da Arábia Saudita. A Casa Branca disse que Biden e Salman "discutiram a segurança regional, incluindo os esforços diplomáticos renovados liderados pelas Nações Unidas e pelos EU para acabar com a guerra no Iémen, e o compromisso dos EUA com ataques de grupos alinhados ao Irã”.

A Casa Branca observou a recente libertação de vários ativistas saudi-americanos e da ativista dos direitos das mulheres sauditas Loujain al-Hathloul e afirmou a importância que os EU dão aos direitos humanos universais e ao Estado de Direito, mas não mencionou o relatório sobre Khashoggi.

A administração Trump rejeitou as exigências dos legisladores para divulgar uma versão desclassificada do relatório, já que a Casa Branca deu prioridade às vendas de armas para o reino e a aliança com Riade por entre crescentes tensões dos EU com o rival regional da Arábia Saudita, o Irã.

Notícias Relacionadas

Fonte