Polícia de Goiás continua buscas por Lázaro Barbosa; assassino pode ser spree killer

17 de junho de 2021

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

A Polícia de Goiás continua tentando capturar Lázaro Barbosa de Sousa, 32 anos, que matou a família Vidal na madrugada de 09 de junho passado, em Ceilândia, área rural do Distrito Federal.

Considerado muito perigoso, sádico e cruel, ele tem deixado toda região de Cocalzinho, em Goiás, onde foi rastreado pela última vez, assustada. Alguns moradores chegaram a deixaram suas casas temporariamente, já que após o crime, durante sua fuga pelas matas da região, ele já invadiu outras casas, cometeu roubos, fez reféns e baleou três pessoas.

Na manhã de ontem, o secretário de Segurança Pública do Estado de Goiás (SSP-GO), Rodney Rocha Miranda, havia declarado durante uma coletiva de imprensa que sua prisão era "questão de horas", mas até o final da noite o criminoso continuava foragido. “Na terça-feira, ele levou algumas vítimas para a beira do rio e conseguimos evitar que o mal acontecesse por conta da nossa estratégia. A área é muito grande e Lázaro a conhece muito bem, mas ele está cansado e acuado”, disse Miranda durante a coletiva.

Para se esconder na mata, Lázaro conta com a própria experiência como caçador e "mateiro".

Na Bahia, onde nasceu, o criminoso, que tem uma longa ficha criminal envolvendo estupros e roubos, é considerado foragido desde 2007.

A morte da família Vidal

Na semana passada, Lázaro invadiu a residência dos Vidal, matando pai, mãe e os dois filhos do casal, um dos quais era um adolescente de 15 anos. Antes de matar a mulher, Cleonice Marques, ele a levou para a mata e a estuprou.

Serial killer ou spree killer?

Ele tem sido chamado pela polícia e parte da imprensa de serial killer, mas a especialista em assassinos em série Ilana Casoy escreveu em seu Twitter que é cedo para fazer esta definição. Ela deu uma breve explicação sobre cada comportamento criminoso:

Serial Killer: cometem no mínimo dois assassinatos, geralmente envolvendo um ritual, fazendo com que os crime ganhem uma “assinatura” particular. Os assassinatos ocorrem em eventos separados e em datas diferentes, com algum intervalo de tempo entre eles, sendo que as vítimas têm um padrão de conexão entre elas. A motivação é a satisfação de uma necessidade psicológica;

Spree Killer: são assassinos que agem no impulso e não por necessidade psicológica, atingindo vítimas que estão no local errado, na hora errada. Podem matar várias pessoas num intervalo de horas, dias ou semanas, mas ao contrário dos serial killers, o intervalo de tempo como um padrão não faz parte de seu comportamento criminal. Podem parar tão rápido como começaram, sem nenhuma explicação aparente;

Mass Murder (Chacina): são assassinos que matam várias pessoas em um só local, em um só evento, durante uma explosão de violência contra um grupo de pessoas que, no seu entendimento, o oprimiu, ameaçou ou rejeitou. Um exemplo recente de matador em massa no Brasil é o de Fabiano Kipper Mai, que matou três crianças e duas professoras numa creche na cidade de Saudades, em Santa Catarina. Segundo dados levantados pela polícia, o assassino tinha sofrido bullying durante a vida toda, inclusive na escola, e queria descarregar sua raiva em alguém.

Referência

Notícia Relacionada

Fontes