Pelo menos 39 mortos em Mianmar durante manifestações contra a junta militar

15 de março de 2021

Protestos em Mianmar (2021)
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

As forças de segurança do Mianmar mataram no domingo pelo menos 39 pessoas, 22 delas em um subúrbio de Yangon, a principal cidade do país, segundo relatos vindos de Mianmar, naquele que seria o dia mais sangrento de protestos contra a junta que tomou o poder em um golpe de 1º de fevereiro .

De acordo com a agência de notícias Reuters, citando o grupo de defesa da Associação de Assistência para Prisioneiros Políticos (AAPP), as forças de segurança atiraram em manifestantes no subúrbio de Hlaingthaya, em Yangon, que abriga fábricas de propriedade de chineses. A China é vista e apoiadora da junta de Mianmar.

As autoridades impuseram a lei marcial a Hlaingthaya.

A televisão Myawadday, dirigida pelo exército, disse que as forças de segurança agiram depois que quatro fábricas de roupas e uma fábrica de fertilizantes foram incendiadas e cerca de 2.000 pessoas impediram que os carros de bombeiros chegassem até eles, disse a Reuters. Plumas de fumaça preta subiram sobre a área, com alguns relatos dizendo que duas das fábricas foram queimadas.

Um porta-voz da junta não respondeu a ligações solicitando comentários.

Notícias Relacionadas

Fonte