Migrantes da África Ocidental resgatados em Cabo Verde

18 de novembro de 2020

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

As autoridades cabo-verdianas continuam a prestar assistência humanitária a 66 cidadãos de países da África Ocidental, resgatados nas costas da ilha do Sal.

Um dos resgatados morreu no hospital local, onde ainda estão outros quatro, enquanto os restantes 61 encontram-se alojados num estádio de futebol na vila de Santa Maria.

Embora não haja informação oficial, tudo aponta que os migrantes pretendiam dirigir-se à Europa.

O comandante da Esquadra da Polícia Nacional no Sal disse que os Serviços de Fronteira tentam agora confirmar a identidade dos migrantes para depois traçar os procedimentos necessários para o repatriamento aos países de origem.

No entanto, Orlando Évora deixou entender que a maioria das pessoas que viajavam podem ser do Senegal.

O embaixador Fernando Wanhon lamenta os desequilíbrios que existem em alguns países nomeadamente em África, situação que leva muitas pessoas a viajarem em condições adversas na tentativa da emigração ilegal para a Europa, em busca de oportunidades e uma vida melhor.

Embora o fenómeno da emigração clandestina não seja novo, Wahnon aponta a forma adversa como muitas pessoas desesperadas por falta de oportunidades nos respectivos países viajam para tentar procurar uma vida melhor na Europa.

"Nós temos é que combater e por as nossas energias e forças contra quem se aproveita deste tráfico para gentes que correm sérios riscos de vida", afirma aquele antigo representante de Cabo Verde junto das Nações Unidas.

Apesar de reconhecer a complexidade do problema que não se resolve de um dia para outro, aquele diplomata defende o engajamento da comunidade internacional e de cada um dos países na perspectiva de adotar novo modelo de "desenvolvimento, crescimento económico, melhor distribuição de rendimentos e nova filosofia da democracia, onde todos se sintam incluídos".

Esta não é a primeira vez que embarcações precárias abarrotadas de migrantes encalham ou avariam em águas cabo-verdianas.

Fontes