Mianmar: Vários jornalistas detidos pelos militares ao reprimir a imprensa

Professores protestam contra golpe militar (9 de fevereiro de 2021, Hpa-An, estado de Kayin, Mianmar)

17 de fevereiro de 2021

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

As forças de segurança de Mianmar detiveram nos últimos dias pelo menos seis jornalistas no país, e a liderança militar, que assumiu o poder no início de fevereiro ao remover o governo eleito, mudou as leis para permitir buscas sem mandado, detenções sem aprovação do tribunal e vigilância reforçada, de acordo com relatórios de fontes de notícias locais e internacionais.

Repórteres em Mianmar disseram que era muito arriscado falar com a mídia estrangeira ou grupos de direitos humanos, e alguns descreveram receber telefonemas de autoridades perguntando sobre para quem trabalhavam. Alguns repórteres disseram que foram aconselhados a ter cuidado ao lidar com dados confidenciais ao informar sobre o golpe e os protestos, no caso de suas anotações e dispositivos serem usados como prova contra eles.

"Com censura, ameaças e intimidação, a liberdade de imprensa foi repentinamente retrocedida 10 anos em 10 dias", disse Daniel Bastard, chefe do escritório da Repórteres sem Fronteiras para a Ásia-Pacífico, em um comunicado.

Shawn Crispin, representante sênior do Comitê para a Proteção dos Jornalistas ("Committee to Protect Journalists") no Sudeste Asiático disse que, “As autoridades da Junta devem cessar e desistir de assediar, deter e ameaçar a mídia e deixar que os jornalistas façam seu trabalho sem medo de represálias. “A temida repressão da mídia em Mianmar está dando frutos com crescentes ameaças aos jornalistas”.

Notícias Relacionadas

Fonte