Macron ganha eleições presidenciais na França

Agência VOA

7 de maio de 2017

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Emmanuel Macron

Emmanuel Macron foi, hoje, 7, eleito presidente da França, derrotando Marine Le Pen, nacionalista de extrema-direita, que ameaçava retirar o país da União Europeia. Ele obteve 66.06 por cento do votos contra 33.94 por cento de Le Pen, que já aceitou a derrota e ligou para felicitá-lo pela vitória.

No seu discurso inicial, Macron disse que esta vitória abre-se uma nova página da longa história, e prometeu defender a França. O desejo de Macron é que tal seja “a redescoberta da esperança e confiança”.

Antes do discurso de Macron, Le Pen fez uma intervenção na qual voltou a congratular o rival político e destacou que os franceses “optaram pela continuidade” na segunda volta das presidenciais.

O presidente-cessante, François Hollande, disse que o resultado revela que o povo francês é pela unidade. "Esta grande vitória confirma que uma larga maioria de cidadãos quer a unidade em torno dos valores da República e revelam a sua ligação à União Europeia”, disse Hollande.

De acordo com a imprensa francesa, a segunda volta das presidenciais ficou também marcada pela abstenção, que registou o valor mais elevado desde 1969. Segundo números avançados, a abstenção terá sido de 25 por cento.

Presidente mais novo

A AFP escreve que Macron será o presidente mais jovem da história da França; mais jovem até mesmo que Louis-Napoléon Bonaparte, que tinha 40 anos quando foi eleito em 1848. Macron é também o primeiro chefe de Estado francês, desde 1958, cuja candidatura não veio de nenhum dos dois partidos tradicionais.

A corrida eleitoral de Macron foi apoiada, entre outros, por líderes mundiais como a chanceler alemã Angela Merkel ou o ex-presidente americano Barack Obama. Macron já recebeu feliecitações de líderes mundiais, entre os quais, Donald Trump, Angela Merkel e Theresa May.

A Reuters reporta que a vitória do candidato centrista alivia as preocupações de aliados europeus, que temiam outra agitação populista na sequência da saída do Reino Unido da União Europeia.

Notícias Relacionadas

Fonte