Haitianos condenam deportação da fronteira Texas-México

20 de setembro de 2021

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

Migrantes haitianos que foram deportados no domingo para a capital do Haiti, Porto Príncipe, a bordo de três voos do Departamento de Imigração e Alfândega dos Estados Unidos (ICE), criticaram a forma como foram deportados e seu tratamento durante a detenção.

"Eles não nos deixaram levar nenhum de nossos pertences. Era como estar na prisão, sem comida, nada", disse Dieudonne Cassagne. Ele é de Gonaives, no norte do Haiti, e morava no Chile antes de ir para a fronteira com o Texas. "Esta manhã, eles nos acordaram cedo e nos disseram: 'Vamos', e então percebemos que eles estavam nos levando para o aeroporto."

Uma mulher que se recusou a fornecer seu nome disse que vivia bem no Chile, mas não tinha residência legal, o que a levou a sair. Ela disse que os haitianos foram tratados de maneira diferente dos outros migrantes durante a detenção. Ela disse que os detidos da Venezuela, Colômbia e Nicarágua foram autorizados a trocar de roupa quando solicitado. Seu pedido foi negado, ela disse, acrescentando que ela estava vestindo a roupa que estava usando quando foi apanhada pela patrulha de fronteira há quatro dias.

“Meu problema é como fomos deportados. Fomos deportados como pessoas sem família (sem valor), como pessoas que não são inteligentes. Não havia ninguém para nos defender”, disse ela. “De acordo com a lei, deveriamos receber um documento que indicava que seríamos deportados e que devíamos assinar. Mas não o recebemos. Eles próprios assinaram o documento. Tiraram nossos passaportes de nós e não os devolveram no aeroporto no Texas. Só os recebemos de volta no vôo para Porto Príncipe”, acrescentou ela.

O governo Biden anunciou sua decisão no sábado de deportar milhares de migrantes haitianos aglomerados sob uma ponte em Del Rio, Texas, na fronteira dos Estados Unidos com o México. O número de migrantes que chegam ultrapassou os recursos da patrulha de fronteira para lidar com eles, indicaram as autoridades no sábado.

O chefe Raul Ortiz, da Patrulha de Fronteira dos EUA, disse que 3.300 migrantes haitianos foram detidos no fim de semana e que as autoridades esperavam mais detenções. Ortiz alertou os migrantes no domingo que eles seriam deportados sob o Título 42, um estatuto de saúde de 1944 invocado sob a administração Trump pelos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos EUA durante o surto de coronavírus e continuado por Joe Biden. A lei impede que os migrantes entrem nos Estados Unidos por motivos de saúde pública.

Fontes