27 de janeiro de 2024

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

O Comando Central dos EUA disse na manhã de sábado que suas forças atingiram um míssil antinavio que disse estar em território controlado pelos houthi e "mirado no Mar Vermelho e que estava preparado para ser lançado".

Na sexta-feira, o USS Carney foi alvo de um míssil houthi enquanto patrulhava o Golfo de Aden. O destróier derrubou o míssil, mas foi a primeira vez que um navio de guerra dos EUA foi alvo dos rebeldes localizados no Iêmen.

O Marlin Luanda, um petroleiro, foi atingido por um míssil na noite de sexta-feira, provocando um incêndio. O porta-voz militar houthi, Yahya Sarea, disse que os rebeldes usaram "uma série de mísseis navais apropriados, o ataque foi direto".

O CENTCOM informou que o petroleiro britânico emitiu um pedido de socorro e relatou danos. O USS Carney respondeu, juntamente com outros navios, para oferecer assistência. Não foram registados feridos, segundo o CENTCOM, que supervisiona as forças dos EUA no Oriente Médio.

Além disso, na sexta-feira, um navio petroleiro com bandeira do Panamá e afiliado à Índia informou que dois mísseis explodiram na água enquanto navegava no Mar Vermelho, perto do Iêmen. Nenhum dano ou ferimento foi relatado.

Os ataques de sexta-feira ocorrem depois de uma semana em que o Reino Unido e os Estados Unidos lançaram uma nova rodada de ataques contra os rebeldes.

Fontes

editar