Eleição municipal 'pulveriza' o domínio nas cidades entre partidos de centro

18 de novembro de 2020

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

Os partidos classificados como de centro político foram os grandes destaques das eleições municipais do último domingo (15) e dividiram o controle dos municípios de forma mais equilibrada. Pela primeira vez desde a adoção do atual calendário eleitoral municipal, em 1988, nenhum partido alcançou a marca de mil prefeituras conquistadas.

Dono da maior bancada no Senado, atualmente com 13 parlamentares, o MDB voltou a registrar o maior número de prefeitos (774) e de vereadores (7.335), posição que ocupa desde 1988. No entanto, o partido viu sua liderança diminuir, tendo perdido cerca de um quarto do seu plantel de prefeitos em 2020. Este foi o pior desempenho do partido desde que assumiu o posto de maior força política nas cidades brasileiras.

Os principais beneficiados foram o Progressistas (PP}, o Partido Social Democrático (PSD) e o Democratas (DEM), que registraram ganhos significativos. O PP se tornou o segundo partido com mais prefeitos (681) e vereadores (6.356) do Brasil (em 2016 havia sido, respectivamente, quarto e terceiro), seguido em ambas as listas pelo PSD (650 prefeitos e 5.673 vereadores). Já o DEM teve o maior incremento percentual de candidatos eleitos entre os grandes partidos do país, com 70% mais prefeitos e 50% mais vereadores.

Esses três partidos, somados ao MDB, têm algo em comum: com cargos no primeiro escalão do Executivo federal e nas lideranças parlamentares do governo, eles têm dado sustentação ao presidente Jair Bolsonaro.

Protagonistas das disputas políticas nas últimas décadas, o PSDB e o PT encaram agora um ocaso nas urnas municipais. O PSDB perdeu o posto de segundo partido com mais prefeitos e vereadores, e teve a maior redução de eleitos para esses cargos em números absolutos, perdendo cerca de 300 prefeituras e mil cadeiras nos Legislativos. Com o crescimento dos partidos de centro, os tucanos dividem mais os holofotes no próprio campo.

Por sua vez, o PT, que já havia sofrido um baque nas eleições de 2016, voltou a piorar seu desempenho. Entre os partidos de esquerda, o PDT se colocou como a principal referência em termos de distribuição nacional, ultrapassando o PSB em número de prefeitos e aumentando sua vantagem em vereadores. Ambos os partidos viram seus números piorarem, mas o PDT teve a menor queda. Apesar desse quadro, o PT ainda é a maior bancada da esquerda no Congresso Nacional.

Fontes