Deputado diz que maioria dos líderes defende manutenção da prisão de Silveira

19 de fevereiro de 2021

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram
Daniel Silveira em 2020

Deputados que participaram da reunião de líderes com o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), na quinta-feira (18), criticaram a decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes, que determinou a prisão em flagrante do deputado Daniel Silveira (PSL-RJ) por supostas agressões à Corte por meio de um vídeo postado na internet. Os parlamentares, no entanto, também avaliaram que Silveira se excedeu.

O deputado Gonzaga Patriota (PSB-PE), que representou o partido na reunião, afirmou que, apesar das críticas, 13 dos 17 líderes presentes no encontro manifestaram-se a favor da manutenção da prisão do parlamentar. Segundo ele, o STF não seguiu o que está definido na Constituição, mas o entedimento é de que Silveira ultrapassou todos os limites.

“Não apenas em destratar a imagem dos ministros do STF, como em falar em AI-5, ditadura, golpe. A gente lamenta que o Parlamento, que é a Casa do povo, tenha alguém para fazer o que o deputado fez”, disse Patriota.

Para o deputado Marcel Van Hattem (Novo-RS), que representou o partido no encontro com Lira, a decisão do STF foi ilegal e inconstitucional. Ele defendeu que Daniel Silveira seja julgado pelo Conselho de Ética e Decoro Parlamentar da Câmara dos Deputados.

“A suspensão é algo que o Conselho de Ética tem que avaliar, houve manifestações inapropriadas, e cada deputado precisa ser responsável pelo que fala. O que não pode é a imunidade parlamentar ser sacrificada por outro Poder nem tampouco que outro Poder aja para atacar a democracia”, afirmou.

A Câmara realizará nesta sexta-feira (19), às 17 horas, sessão deliberativa do Plenário para apreciar a medida cautelar do STF contra Daniel Silveira. Na terça-feira (23), haverá reunião do Conselho de Ética para iniciar a análise de representação contra o parlamentar.

Daniel Silveira foi preso em flagrante pela Polícia Federal na noite de terça-feira (16) no âmbito de inquérito no STF que investiga notícias falsas. Ele gravou e divulgou vídeo em que faz críticas aos ministros do Supremo e defende o Ato Institucional nº 5 (AI-5).

Fontes