Covid-19: no Brasil, regiões Sul e Sudeste são os epicentros da segunda onda

27 de novembro de 2020

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram
Linha em vermelho mostra crescimento de casos no Brasil em novembro, com destaque para o dia 11

A tão temida segunda onda da pandemia de Covid-19 no Brasil – apontada pela Wikinotícias no dia 15 de novembro, mesmo antes que a grande imprensa nacional o fizesse – já é uma realidade, com as regiões Sul e Sudeste liderando o aumento em todo país. A maioria dos estados que nos últimos dois dias tiveram mais casos novos e mortes, segundo o painel do SUS Analítico, são destas duas regiões.

O ranking de novos casos é liderado por:

  • São Paulo: 4.320 (26.11); 4.507 (27.11)
  • Paraná: 3.726; 3.201
  • Santa Catarina: 3.420; 9.523
  • Minas Gerais: 2.851; 3.265
  • Rio Grande do Sul: 2.486; 7.813

* RJ e BA registraram de ontem para hoje, respectivamente, 5.412 e 4.204 novos casos.

Os estados com mais óbitos nos dois últimos dias são:

  • São Paulo: 129 (26.11); 146 (27.11)
  • Santa Catarina: 59; 34
  • Rio de Janeiro: 54; 91
  • Minas Gerais: 44; 42
  • Rio Grande do Sul: 39; 43

* GO registrou de ontem para hoje 39 novos dois óbitos; CE, 30 e PR, 29.

Segundo a Fiocruz em seu Boletim Observatório Fiocruz Covid-19 divulgado ontem, que traz dados das duas últimas semanas, “as maiores taxas de incidência de Covid-19 foram observadas nos estados do Acre, Roraima, Amapá, Espírito Santo, Santa Catarina e Rio Grande do Sul”, enquanto as “taxas de mortalidade por Covid-19 foram mais elevadas nos estados do Amapá, Espírito Santo, Rio de Janeiro e Paraná, Rio Grande do Sul, Mato Grosso, Goiás e no Distrito Federal”.

Rio Grande do Sul fica todo em situação de “alto risco” pela primeira vez

Um dos primeiros estados a adotar um Modelo de Distanciamento Controlado (com o uso de bandeiras que variam das cores amarelo a preto, sendo a cor preta considerada a de “situação crítica”), o Rio Grande do Sul (RS) ficou todo marcado com a cor vermelha, a de “alto risco”, pela primeira vez desde a adoção do sistema. “É o pior momento da pandemia no estado”, enfatiza o texto divulgado ontem no website do Governo do RS.

Segundo o texto ainda, o número de novos registros semanais de hospitalizações confirmadas com Covid-19 aumentou 26% (de 830 para 1.047) entre 30 de outubro e 26 de novembro, enquanto o número de internados em leitos clínicos com Covid-19 aumentou 54% (de 768 para 1.183) e o número de internados em UTI com Covid-19 aumentou 35% (de 573 para 775) no mesmo período.

"Estamos de fato vivendo uma segunda onda de coronavírus aqui no Rio Grande do Sul, assim como outras regiões estão vivendo”, disse o governador do estado, Eduardo Leite, em sua fala periódica ao vivo feita ontem, 27 de novembro.

Ele pediu que os gaúchos “evitem aglomerações e contatos desnecessários”. “Vamos trabalhar para afetar o menos possível a Economia, mas pedimos que todos tenham responsabilidade para evitar o agravamento da situação”, enfatizou, numa referência a um possível “lockdown”. “Um momento difícil está se aproximando para as próximas semanas”, terminou.


Rio de Janeiro em situação crítica: faltam leitos Covid

Mais de 350 pessoas aguardavam por leitos para Covid-19 ontem, segundo a Secretaria de Estado de do Rio de Janeiro. Destas, 151 estavam em condição grave, necessitando de internação numa UTI.

Segundo o Boletim da Fiocruz, a taxa de ocupação de leitos de UTI no estado nos últimos dias é de 70%.

Fiocruz aponta tendência de piora do cenário geral

Em seu Boletim, a instituição apontou que existe uma tendência de piora da pandemia em todo Brasil. “A taxa de incidência, que já se encontrava em níveis altos por todo o país, voltou a subir em vários estados e em suas capitais nas duas últimas semanas”, reportou a Fiocruz, que, no entanto, sugeriu “cautela quanto a afirmar que o Brasil vive uma “segunda onda” da pandemia”.

Segundo a Fundação, as taxas de ocupação de leitos de UTI estão em “situação crítica” no Amazonas (86%) e Espírito Santo (85,1%), enquanto Santa Catarina (78,6%), Rio de Janeiro (70%), Minas Gerais (64,5%) e Bahia (61,1%) enfrentam uma “situação de alerta”.

Já as capitais com as taxas em “situação crítica” são Macapá (92,2%), Vitória (91,5%), Curitiba (90%), Porto Alegre (88,7%), Rio de Janeiro (87%), Florianópolis (83%) e Manaus (86%). Na zona de “alerta” estão Fortaleza (78,7%), Belém (78,3%) e Campo Grande (76,1%).


Notícia Relacionada

Fontes

Compartilhe
essa notícia: