Covid-19: no Brasil, Saúde recomenda "isolamento social", mas depois apaga mensagem

19 de novembro de 2020

19 de novembro de 2020
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

Ontem pela manhã o Ministério da Saúde publicou em sua conta no Twitter uma mensagem que vai contra a ideologia do Governo Jair Bolsonaro nos últimos meses: disse que não havia tratamento para a Covid-19 e defendeu o isolamento social.

"Olá! É importante lembrar que, até o momento, não existem vacina, alimento específico, substância ou remédio que previnam ou possam acabar com a Covid-19. A nossa maior ação contra o vírus é o isolamento social e a adesão das medidas de proteção individual", dizia o texto na íntegra.

A mensagem, no entanto, foi apagada uma hora depois, e no fim da tarde o órgão anunciou que ela havia sido postada devido a um "erro humano".

Bolsonaro, que demitiu dois ministros da saúde, ambos médicos, por eles defenderem o isolamento social, acabou colocando no cargo o general Eduardo Pazuello, sem qualquer formação numa área da saúde. Logo após assumir a pasta, o ministro, pressionado pelo presidente, emitiu o "protocolo da cloroquina", indicando o uso do medicamento para o tratamento precoce da Covid, tratamento que não tem qualquer respaldo científico.

Desde a mudança no ministério também houve mudanças em outras ações: o boletim diário passou a enfatizar o número de curados e o website do Ministério da Saúde chegou a sair do ar para evitar que a informação sobre novos casos e óbitos diários fosse divulgada no Jornal Nacional.

O uso da cloroquina e a não-necessidade de distanciamento e isolamento social são as bases da ideologia do Governo Bolsonaro para lidar com a pandemia da Covid-19 no Brasil, que enfatiza que é necessário que a vida continue normalmente para evitar os problemas econômicos que o isolamento pode causar. Bolsonaro algumas vezes, defendendo sua ideologia, disse sobre os óbitos: "paciência, todos vão morrer um dia".

Número de óbitos contradiz eficiência da cloroquina

Desconsiderando a Rússia, acusada de omitir os casos, e a Índia, acusada de sequer receber todos os doentes nos hospitais, países cujo taxa de óbitos está muito abaixo da média, o Brasil registrou mais mortes por milhão de habitantes do que os Estados Unidos e a França, países que não fazem uso da cloroquina para tratar os doentes de Covid, o que é um sinal de que o medicamento não funciona para curar a síndrome causada pelo Sars-Cov-2.

Os dados são do website de estatísticas Worldometer em sua última atualização, feita hoje às 12:12 GMT.

Os 5 países mais afetados
País Óbitos por milhão de habitantes
EU 773
Índia 95
Brasil 786
França 715
Rússia 239

Notícias RelacionadasEditar

FontesEditar


Compartilhe
essa notícia:
               

[[Categoria:Política]