Anistia Internacional pede para que Base de Guantânamo seja fechada

27 de maio de 2005

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Localização da Baía de Guantânamo, Cuba

Em seu relatório anual, de 308 páginas, publicado esta quarta-feira, a Anistia Internacional denuncia a grave situação dos direitos humanos no mundo. A secretária geral da organização, Irene Khan, também disse que a base de "Guantânamo se converteu no gulag de nosso tempo, consolidando a prática da detenção arbitrária e indefinida em violação do direito internacional" e pediu aos Estados Unidos o fechamento definitivo da prisão, localizada em Cuba.

Em sua introdução, o relatório diz que "a 'guerra contra o terror' parece mais efetiva desgastando os princípios dos direitos humanos internacionais que combatendo o 'terrorismo' internacional". Agrega que os "Estados Unidos, em sua qualidade de superpotência política, militar e econômica sem rival no mundo, marca a pauta do comportamento dos governos a nível mundial (...) Quando o país mais poderoso do mundo se burla do Estado de direito e dos direitos humanos, está dando permissão para que outros países cometam abusos com impunidade e audácia".

Kahn mencionou as fotografias dos abusos a prisioneiros iraquianos no cárcere de Abu Ghraib. Ademais, criticou a atitude dos Estados Unidos a respeito de sua própria proibição da tortura: "O Governo estadounidense se empregou a fundo para restringir a aplicação dos Convênios de Genebra e 'redefinir' a tortura". "Os governos estão tratando de tercerizar a tortura. Não se nega a justiça, desvia-se", agregou, fazendo referência à suposta entrega de prisioneiros a países onde a tortura não está proibida. "Argumentar que a tortura está justificada, é fazer-nos voltar à Idade Média", concluiu Khan.


Reação dos Estados Unidos

O porta-voz da Casa Branca Scott McClellan respondeu dizendo que os relatos do relatório são "ridículos e pouco sustentados pelos fatos. Os Estados Unidos lideram a proteção dos direitos humanos e a promoção da dignidade humana. Liberamos a 50 milhões de pessoas no Iraque e Afeganistão. Trabalhamos pelo avanço da liberdade e a democracia no mundo para que a gente seja governada pelas regras da lei e que há proteções aos direitos das minorias, que os direitos das mulheres avançaram tanto que elas possam participar totalmente em sociedades onde agora não podem", bem como o apoio à luta contra o aids em África.

A respeito dos alegados de abusos em Guantánamo, que McClellan tinha qualificado anteriormente de incidentes isolados, o porta-voz disse que os responsáveis são presos quando há abuso. Tomamos medidas para evitar que suceda de novo e o fazemos de uma maneira tão notória para que o mundo veja o que pregamos com o exemplo, e que temos valores que conservamos e nos quais cremos muito".

Fontes