Aliados dos EUA e da OTAN observando a China cuidadosamente

23 de março de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Espera-se que os líderes ocidentais reunidos em Bruxelas sobre a invasão da Ucrânia pela Rússia passem uma quantidade significativa de tempo falando sobre a China.

Autoridades de segurança dos EUA dizem que ainda não viram nenhum sinal de que Pequim esteja fornecendo a Moscou equipamento militar ou outra ajuda para impulsionar as forças russas. Mas as autoridades ocidentais alertam que a recusa da China em condenar a invasão da Rússia e sua disposição de repetir a propaganda do Kremlin são motivo de preocupação.

“Enfrentamos um ambiente de segurança fundamentalmente alterado, onde os poderes autoritários estão cada vez mais preparados para usar a força para conseguir o que querem”, disse o secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg, a repórteres na quarta-feira, um dia antes de uma reunião dos chefes de Estado da aliança.

“Pequim juntou-se a Moscou para questionar o direito das nações independentes de escolherem seu próprio caminho", acrescentou. "Então, espero que também abordemos o papel da China nesta crise.”

Até agora, a China tem procurado evitar conflitos políticos sobre a guerra na Ucrânia, dizendo que reconhece a soberania da Ucrânia e, ao mesmo tempo, concorda com a Rússia que a expansão da Otan levantou "preocupações legítimas de segurança".

Ao mesmo tempo, analistas alertam que a China usou as mídias sociais para ecoar os pontos de discussão do Kremlin sobre a guerra.

Postagens de autoridades e agências de notícias chinesas “permaneceram amplamente alinhadas com as mensagens russas”, de acordo com análise da Alliance for Securing Democracy, com sede em Washington, que rastreia a propaganda online.

“‘OTAN’ foi a décima frase-chave mais usada nos tweets chineses na semana passada, enquanto as autoridades chinesas e a mídia estatal continuam a enquadrar o potencial alargamento da OTAN como a causa raiz da invasão da Rússia”, disse a aliança, observando que Pequim também repetiu os esforços de desinformação russos. os EUA para laboratórios de armas biológicas na Ucrânia.

Mas o que os membros da Otan consideram mais preocupante é a disposição de Pequim de ficar do lado de Moscou contra valores centrais como a autodeterminação, disse Stoltenberg.

“A China agora questionou pela primeira vez alguns dos princípios-chave de nossa segurança, incluindo o direito de cada nação da Europa escolher seu próprio caminho”, disse ele. “Essa é nova.”

“Espero que os líderes, quando se reunirem amanhã, exortem a China a condenar a invasão e a se envolver em esforços diplomáticos para encontrar uma maneira pacífica de acabar com esta guerra o mais rápido possível e não fornecer apoio material”, disse Stoltenberg.

Alguns legisladores dos EUA acham que os esforços militares estagnados da Rússia na Ucrânia podem estar dando à liderança chinesa motivos para reconsiderar o uso da força, especificamente em relação a Taiwan.

“A China também está olhando para a Rússia, e eles estão começando a fazer perguntas”, disse o presidente do Comitê de Serviços Armados do Senado, Jack Reed, ao Grupo de Escritores de Defesa na quarta-feira, observando que a China ainda precisa testar verdadeiramente seu recém-descoberto poder militar.

“Acho que os chineses estão constantemente pensando em sua postura em relação a Taiwan”, disse ele. “Agora eles têm mais alguns dados… Eles podem estar pensando duas vezes.”

Fontes