Venezuela entre os países mais corruptos do mundo

25 de janeiro de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

A luta contra a corrupção nos países latino-americanos estagnou nos últimos três anos, de acordo com um relatório da Transparência Internacional divulgado na terça-feira.

O relatório da Transparência Internacional, uma organização sem fins lucrativos com sede em Berlim focada no combate à corrupção, informou que o relatório avalia 180 nações ao redor do mundo quanto aos níveis percebidos de corrupção no setor público.

“O que observamos é que os governos populistas utilizam medidas que têm a ver com a concentração de poder institucionalmente que afetam a qualidade institucional dos países ou medidas que tentam cooptar o judiciário, para avançar a justiça gerando ataques à independência. por sua vez, tem impacto na impunidade em matéria de corrupção", disse a diretora da Transparência Internacional, Delia Ferreira Rubiol.

Haiti, Nicarágua e Venezuela foram os países latino-americanos com a pior pontuação.

A Transparência Internacional admite que “a deterioração das qualidades institucionais e o aumento da corrupção obviamente afetam a capacidade dos países de responder às necessidades da população”.

“O dinheiro que se perde na corrupção e que vai para os bolsos privados é o dinheiro que falta na educação, na saúde, na infraestrutura, nas condições sanitárias adequadas, e isso afeta claramente a população”, disse Ferreira Rubiol.

Em nota à imprensa, Ferreira Rubiol afirmou que “os países das Américas estão totalmente presos no combate à corrupção. Líderes corruptos atacam ativistas e consolidam seu poder, enquanto direitos de imprensa, liberdade de expressão e liberdade de associação estão sob ataque.”

“Insistimos na necessidade de reforçar os controlos democráticos e o respeito pelas liberdades democráticas (...) como condições essenciais para um combate eficaz à corrupção”, sublinhou Ferreira Rubiol durante o diálogo com a VOA .

O relatório alerta sobre o "autoritarismo" na Nicarágua e El Salvador e a repressão contra a imprensa e a oposição política na Venezuela, assegurando que os direitos civis e políticos são "fundamentais para democracias sem corrupção".

“São necessárias ações fortes para reverter essa tendência, proteger a sociedade civil e defender os direitos humanos e a democracia”, acrescentou o presidente da organização.

Fontes