Senado aprova proposta de adiamento do Enem

19 de maio de 2020

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Hoje (19), de maneira unânime, os senadores aprovaram um projeto de lei que determina o adiamento do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2020, em decorrência da pandemia de COVID-19. O projeto não estipula uma data, pois ela varia conforme a situação da pandemia. O texto precisa ser aprovado pala Câmara dos Vereadores.

Nesse ano já foram registrados mais de 3,5 milhões de inscritos. Segundo o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), os candidatos podem se inscrever até sexta-feira (22). Preliminarmente, as provas aconteceriam em 1 de novembro (linguagens, códigos e suas tecnologias; redação; ciências humanas e suas tecnologias) e 8 de novembro (ciências da natureza e suas tecnologias; matemática e suas tecnologias). Já a versão digital ocorreria em 11 e 18 de outubro.

O senador Izalci Lucas (PSDB-DF) afirmou: “Lembremos, que nossos alunos das escolas públicas não tiveram sequer dois meses de aula completados neste ano letivo. Seria muito injusto submetê-los à já desigual concorrência que caracteriza os processos de acesso à educação superior”.

Izalci também citou a situação das universidades, principalmente as públicas. Para ele, não tem lógica a realização das provas sem que as instituições educacionais possam receber os alunos: “O ambiente de incerteza que nos atinge também condiciona as suas atividades. Elas só abrirão novas vagas quando dispuserem de todos os meios para tanto”.

A autora do projeto, Daniella Ribeiro (PP-PB), afirmou que muitos não possuem as plataformas digitais: “Quantos têm condições de pagar uma plataforma de streaming, um EAD [ensino à distância]? Que possamos colocar rostos nessas pessoas que estão em casa, cuidando de irmãos pequenos, em casas com cinco, seis pessoas e não têm um espaço para estudarem sozinhos”.

O presidente do Senado, David Alcolumbre, afirmou que a maioria dos políticos são contra Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE) e provavelmente aprovaria a medida: “A gente não tinha como não tomar essa decisão, até porque foi por praticamente a unanimidade dos líderes. Ressalvando as ponderações do ministro, precisávamos deliberar um assunto que tinha a unanimidade dos partidos”.

Fonte