Secretário-Geral da ONU e CEDEAO pedem fim de combates em Bissau

1 de fevereiro de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Agência VOA

O scretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU) pediu "o fim imediato dos combates e o pleno respeito pelas instituições democrática" na Guiné-Bissau, em que a VOA noticiou de manhã desta terça-feira (1) registraram tiros no interior do Palácio do Governo.

As últimas informações indicam para uma tentativa de golpe de Estado e que seus autores terão neutralizado o Presidente e os membros do Governo, mas que forças leais às autoridades terão controlado a situação ou estão em vias de o fazer.

Não há qualquer informação oficial.

Na nota divulgada pelo seu porta-voz, António Guterres afirmou estar “profundamente preocupado com a notícia de combates violentos em Bissau".

Também a Comunidade Económica de Estados da África Ocidental (CEDEAO) disse estar acompanhar "com grande preocupação a evolução da situação na Guiné-Bissau, caracterizada por tiros de militares junto ao Palácio do Governo", lê-se no comunicado.

Na nota, a organização sul-regional fala em “tentativa de golpe de Estado” e responsabiliza os “militares responsáveis” pela “segurança do Presidente Umaro Sissoco Embaló e membros do seu Gabinete.”

A CEDEAO exige "aos militares que regressem aos seus quartéis e mantenham uma postura republicana".

Tiros e bloqueio do Palácio do Governo

Os disparos aconteceram durante a reunião do Conselho de Ministros, que estava a ser presidida pelo chefe de Estado e na qual estava também o primeiro-ministro Nuno Gomes Nabiam.

As autoridades não se pronunciaram ainda e as informações são praticamente inexistentes.

No entanto, a Rádio Bonbolom FM, com sede em Bissau, avançou que duas pessoas, pelo menos, terão sido mortas, uma informação que a VOA não conseguiu ainda confirmar junto das autoridades que continuam em silêncio.

Há poucas pessoas nas ruas e um forte aparato militar e desconhece-se por agora o paradeiro do Presidente da República e do primeiro-ministro.

Notícias relacionadas

Fonte