Raúl Tati: "Reconhecimento de terroristas em Cabinda mostra que não há segurança"

Agência VOA

Deputado comenta declarações do Chefe de Estado-Maior Geral das Forças Armadas e diz que Cabinda é tabu no Parlamento

15 de janeiro de 2019

link=mailto:?subject=Raúl%20Tati:%20"Reconhecimento%20de%20terroristas%20em%20Cabinda%20mostra%20que%20não%20há%20segurança"%20–%20Wikinotícias&body=Raúl%20Tati:%20"Reconhecimento%20de%20terroristas%20em%20Cabinda%20mostra%20que%20não%20há%20segurança":%0Ahttps://pt.wikinews.org/wiki/Ra%C3%BAl_Tati:_%22Reconhecimento_de_terroristas_em_Cabinda_mostra_que_n%C3%A3o_h%C3%A1_seguran%C3%A7a%22%0A%0ADe%20Wikinotícias Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

O Chefe do Estado-Maior das Forcas Armadas Angolanas classificou na passada quinta-feira (9) de terroristas os elementos da organização independentista de Cabinda (FLEC) e desafiou o movimento a apresentar provas de alegados confrontos com o exército dos quais resultaram 12 mortos.

A declaração do general Egídio de Sousa e Santos mereceu um comentário do deputado independente por Cabinda pela UNITA, Raúl Tati, para quem tal afirmação é prova que “a insegurança mantém-se” na província.

Nos últimos três meses, duas manifestações foram reprimidas pelo Governo, que deteve vários activistas, entretanto libertados.

O deputado e também conhecido activista de Cabinda, Raúl Tati, disse hoje à VOA que a situação mantém-se na mesma de há muito porque o assunto continua a ser tabu.

A prova, segundo Tati, é que o próprio Chefe do Estado-Maior das Forcas Armadas Angolanas veio a público “reconhecer a presença de terroristas, o que prova que não há segurança”.

Raul Tati é de opinião que o tema Cabinda “é político e não militar, como se tem dito e que o lugar para o resolver é no Parlamento”.

Mais de um ano depois de tomar posse como deputado, Tati afirma que a Assembleia Nacional “não está ainda preparada para tal debate, mas há que continuar a insistir, trazendo o debate da periferia paro o centro de decisão”.

Refira-se que o Movimento Independentista de Cabinda está a organizar uma manifestação no dia 1 de Fevereiro para assinalar mais um aniversário do Tratado de Simulambuco, que colocou o território sob o protectorado de Portugal.

Fontes