Polícia de Camarões resgata 70 crianças de campo de detenção ilegal

25 de maio de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

A polícia do norte de Camarões disse ter libertado 70 crianças de um campo disciplinar ilegal, onde as crianças dizem que foram deixadas por seus pais para serem acorrentadas e espancadas. Segundo as autoridades, os trabalhadores do acampamento foram detidos e as crianças feridas e traumatizadas estão sendo tratadas.

A polícia de Camarões disse que entrou em um campo disciplinar ilegal, conhecido localmente como um centro tradicional de reabilitação para crianças rebeldes, na cidade de Ngaoundere.

A polícia disse ter libertado 70 meninos e meninas de 6 a 14 anos na terça-feira, com muitos mancando como resultado de tortura e outros com ferimentos recentes.

Entre as crianças libertadas está Alim Iddrisou, de 14 anos, que disse que quando se recusou a frequentar uma escola corânica em março de 2020, seus pais o acusaram de não respeitar as regras da comunidade e os mais velhos e o levaram ao centro.

Ele disse que Deus salvou sua vida e lhe deu coragem para suportar a terrível tortura infligida a ele pelos trabalhadores do centro. Ele disse que passou o primeiro de seus dois anos no campo com os pés acorrentados, e cada criança recebia uma refeição mal cozida todos os dias e quem reclamava era espancado pelos guardas do campo.

Falando à mídia local, Iddrisou disse que cada vez que os poucos banheiros do campo eram ocupados, os trabalhadores forçavam as crianças a defecar em sacos plásticos ou urinar em garrafas. Ele disse que os meninos mais velhos foram escoltados para esvaziar as fezes e a urina em um riacho próximo à noite.

As crianças libertadas disseram que quatro de seus colegas morreram de tortura e fome nos últimos três meses e não sabem onde seus corpos foram enterrados. A polícia reconhece que algumas crianças morreram. O governo disse que ainda está tentando identificar seus pais.

Kildadi Taguieke Boukar, governador da região de Adamawa, em Camarões, onde Ngaoundere está localizada, disse que ordenou que as crianças que pareciam cansadas e frágeis fossem levadas às pressas para os hospitais locais. Boukar também disse que pediu à polícia que localize os pais das crianças libertadas para que possam responder às acusações que incluem abuso infantil e negligência.

Boukar ordenou que funcionários do governo local, clérigos, elite, líderes comunitários e chefes de aldeias ajudassem a acabar com essa forma de primitivismo e tortura denunciando promotores de tais campos disciplinares à polícia. Ele disse que os pais que enviarem seus filhos para esses campos serão punidos, pois Camarões é um estado de leis e seus cidadãos devem respeitar os direitos humanos ou enfrentar as consequências.

Os donos do acampamento e seus trabalhadores foram presos pela polícia. Os donos dos campos serão acusados de tortura, homicídio, detenção ilegal e abuso infantil.

Fontes