Novo ano escolar, o velho problema da "venda de vagas" nas escolas em Angola

Luanda • 25 de agosto de 2021

link=mailto:?subject=Novo%20ano%20escolar,%20o%20velho%20problema%20da%20"venda%20de%20vagas"%20nas%20escolas%20em%20Angola%20–%20Wikinotícias&body=Novo%20ano%20escolar,%20o%20velho%20problema%20da%20"venda%20de%20vagas"%20nas%20escolas%20em%20Angola:%0A//pt.wikinews.org/wiki/Novo_ano_escolar,_o_velho_problema_da_%22venda_de_vagas%22_nas_escolas_em_Angola%0A%0ADe%20Wikinotícias Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Agência VOA

O Movimento dos Estudantes Angolanos (MEA) e encarregados de Educação denunciam a venda de vagas nas escolas do ensino médio em Luanda, enquanto estudantes pedem a presença do Serviço de Investigação Criminal (SIC) nas escolas.

Entretanto, o Ministério da Educação impõe o limite de 36 alunos por turma, o que vai aumentar ainda mais o número de estudantes que ficam fora do sistema de ensino.

Estudantes e encarregados de educação dizem que a venda de vagas podem chegar a 300 mil kwanzas e os pais afirmam não haver bolso que aguente.

“No Kilamba, na escola pública nada de vaga, aqui no IMS estão a pedir 300 mil kwanzas por vaga, outro filho foi ao IMEL pediram 250 mil kwanzas, onde vou parar? Tu chegas lá e dizem que não há vaga, mas se mexeres no bolso e tiveres 300 mil kwanzas a vaga aparece rápido”, afirma um encarregado de educação.

Manuel Mazanga, da Associação de Pais e Encarregados de Educação, diz que tem que pagar quase um milhão de kwanzas para ter os filhos na escola, mas “não há como”.

O MEA afirma ter feito chegar uma queixa à polícia de investigação, mas sem qualquer resposta. Francisco Teixeira, do MEA, denuncia a incapacidade do Executivo para combater o mal.

"O Governo não consegue combater isso nas escolas e diz que está a combater a corrupção, como? Nas escolas, o número de crianças que vai ficar de fora cresce todos os dias", revela Teixeira.

E para agravar ainda mais a situação dos alunos que têm dificuldades em entrar no sistema de ensino, a ministra da Educação publicou uma circular que proíbe as escolas de ter mais de 36 estudantes numa sala de aula.

Francisco Teixeira considera a medida de "despropositada" e diz não compreender “o que o Estado quer com a formação dos pobres, porque com a escassez de vagas ainda limita o número, o que vai aumentar ainda mais o universo de crianças fora da escola”.

Dados oficiais apontam para perto de três milhões de pessoas fora do sistema de ensino por falta de vagas em Angola.

Fonte