Nigéria busca recuperar até US$ 4 bilhões em perdas de receita de petróleo

5 de fevereiro de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Agência VOA

Com o aumento dos preços do petróleo, a Nigéria está reprimindo o roubo de petróleo como parte do esforço do país para recuperar a receita perdida. A Nigéria perde cerca de 150.000 barris de petróleo por dia devido à exploração ilegal de oleodutos. Nesse ritmo, as autoridades dizem que o país perde cerca de US$ 4 bilhões por ano, ou 10% de seu orçamento anual.

O chefe da Comissão Reguladora de Petróleo Upstream da Nigéria, Gbenga Komolafe, anunciou o esforço de recuperação de receita nesta semana, mas se recusou a fornecer mais detalhes sobre as novas medidas que as autoridades tomariam.

Gbenga disse que o presidente Muhammadu Buhari aprovou a "Indústria-Wide Oil Revenue Recovery Initiative" e formou um comitê que inclui várias agências de segurança. Ele disse que o comitê começará a operar em breve.

“O impacto positivo disso será testemunhado muito em breve, porque há uma abordagem colaborativa para interromper o incidente, especialmente porque afeta a receita da federação. Você não deve esperar que eu divulgue a estratégia”, disse Gbenga.

A comissão de petróleo diz que o ambicioso plano de recuperação dobrará a produção do país de 1,5 milhão de barris de petróleo por dia para 3 milhões de barris diários.

A produção diminuiu na Nigéria nos últimos anos como resultado da exploração ilegal de oleodutos. A comissão disse que a produção de petróleo caiu para 1,5 milhão de barris por dia em dezembro de 2021, de 1,7 milhão no início do ano passado.

O atual nível de produção da Nigéria fica aquém da meta da OPEP para a nação da África Ocidental.

O especialista em energia Odion Omonfoman diz que o plano de recuperação de receita do governo é possível. “Isso deveria ter sido US$ 4 bilhões que seriam acumulados para a federação, que deveriam ter sido usados ​​para construir escolas, hospitais, estradas, infraestrutura”, disse Omonfoman. “Mas esse dinheiro é praticamente roubado e não volta para a Nigéria. Também prejudica o investimento no setor de petróleo e gás, muitos dos IOCs estão desinvestindo em ativos em terra e de águas rasas que costumavam possuir”.

Mas Omonfoman diz que, ao mesmo tempo em que promove iniciativas que aumentarão a produção e gerarão mais receita, as autoridades também devem considerar as comunidades locais que sofrem com os riscos ambientais resultantes da produção de petróleo.

“Qualquer ação destinada a reduzir a quantidade de sabotagem, incluindo o envolvimento das comunidades locais que literalmente são participantes relutantes neste negócio será útil”, disse Omonfoman. “No final das contas, devemos ter uma estratégia que garanta que as comunidades locais se beneficiem da produção de petróleo e gás bruto em sua área. Você deve ter algum tipo de incentivo que garanta e permita a produção contínua e a participação da comunidade na proteção dos ativos de petróleo e gás.”

Os preços do petróleo saltaram nos mercados globais para mais de US$ 90 por barril. A economia da Nigéria é altamente dependente dos ganhos do petróleo.

Fonte