Nancy Pelosi expressa preocupação com ações de Trump nos próximos dias

8 de janeiro de 2021

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

Em meio a preocupações crescentes sobre o que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, pode fazer durante seus últimos dias no cargo, a presidente da Câmara, a democrata Nancy Pelosi, disse hoje que perguntou a um general do Pentágono quais medidas estavam em vigor para impedir o presidente de lançar um ataque com armas nucleares.

A possibilidade, embora aparentemente remota, pode ser levada em consideração em uma campanha de Pelosi e alguns outros líderes nacionais para tirar Trump do cargo antes mesmo de seu mandato terminar em 20 de janeiro. Ela e outros congressistas consideram pedir o impeachment ou que Mike Pence, o vice-presidente, invoque a 25ª Emenda, que possibilita a destituição de um presidente que já não tem mais condições de governar o país.

“Esta manhã, conversei com o Presidente do Estado-Maior Conjunto, Mark Milley, para discutir as precauções disponíveis para evitar que um presidente instável inicie hostilidades militares ou acesse os códigos de lançamento e ordene um ataque nuclear”, escreveu Pelosi em uma carta a seus colegas de partido na Câmara dos Representantes.

“A situação deste presidente desequilibrado não poderia ser mais perigosa e devemos fazer tudo o que pudermos para proteger o povo americano de seu ataque desequilibrado ao nosso país e à nossa democracia”.

Solicitado a confirmar que a ligação havia ocorrido, um porta-voz de Milley disse à VOA: "ele respondeu às perguntas dela sobre o processo de autoridade do código nuclear”.

O porta-voz não deu detalhes sobre o que foi dito durante a ligação.

Ordem ilegal

O presidente tem autoridade exclusiva para ordenar o lançamento de uma arma nuclear e não requer a aprovação do Congresso ou de seus conselheiros militares, mas se um comandante militar determinasse, a conselho de seus advogados, que tal ordem era ilegal, a ordem poderia ser recusada.

Líderes anteriores e atuais do Pentágono disseram que não obedeceriam a uma ordem ilegal do presidente.

Notícias Relacionadas

Fontes

Compartilhe
essa notícia: