Morales chama embaixador dos EUA de "persona non grata" e decide expulsá-lo

Agência Brasil

11 de setembro de 2008

link=mailto:?subject=Morales%20chama%20embaixador%20dos%20EUA%20de%20"persona%20non%20grata"%20e%20decide%20expulsá-lo%20–%20Wikinotícias&body=Morales%20chama%20embaixador%20dos%20EUA%20de%20"persona%20non%20grata"%20e%20decide%20expulsá-lo:%0Ahttps://pt.wikinews.org/wiki/Morales_chama_embaixador_dos_EUA_de_%22persona_non_grata%22_e_decide_expuls%C3%A1-lo%0A%0ADe%20Wikinotícias Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

O presidente da Bolívia, Evo Morales, declarou ontem (10) que o embaixador dos Estados Unidos, Philip Goldberg, é persona non grata e orientou o chanceler David Choquehuanca a expulsá-lo imediatamente do país. A informação é da Agência Boliviana de Informação (ABI), que é estatal.

“Sem medo de ninguém, sem medo do império, declaro, diante do povo boliviano, que o senhor Goldberg é persona non grata", afirmou no Palacio Quemado (do governo), durante lançamento de programa para incentivar a criação de empregos para os jovens.

"Não queremos gente separatista nem divisionista nem que conspire contra a unidade, não queremos pessoas que atentem contra a democracia", afirmou o presidente.

O Departamento de Estado divulgou na quinta-feira (11), uma nota que o presidente da Bolívia, cometeu "um grave erro", que prejudicou as relações com os Estados Unidos, ao expulsar o embaixador de Washington em La Paz.

A tensão no país vizinho, onde o governo tenta implantar uma nova Constituição e os departamentos (estados) opositores e ricos exigem autonomia, tem se acirrado nos últimos dias. Ontem ocorreu uma explosão num gasoduto que vai prejudicar o fornecimento de gás para o Brasil.

Morales disse que a decisão em relação ao embaixador norte-americano é uma homenagem à “luta histórica do povo boliviano contra o modelo neoliberal e contra toda forma de ingerência estrangeira”.

O presidente afirmou que só o povo organizado pode defender e recuperar a democracia dos separatistas e convocou os movimentos sociais e o povo a defender a unidade da Bolívia.

Fontes