Macron lança candidatura à reeleição

17 de março de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Menos de um mês antes do primeiro turno das eleições presidenciais na França, o titular Emmanuel Macron finalmente apresentou sua plataforma de campanha para a reeleição em uma longa entrevista coletiva na quinta-feira nos arredores de Paris. A guerra na Ucrânia elevou a popularidade de Macron, e seus rivais estão lutando para causar impacto. Se vencer, Macron será o primeiro presidente francês reeleito em duas décadas.

Algumas de suas principais propostas de campanha incluem aumentar a idade de aposentadoria de 62 para 65 anos, aumentar os gastos com segurança, melhorar as oportunidades educacionais e abolir certos impostos.

Macron esperou até o último minuto para anunciar sua candidatura. Ele mal fez campanha – realizando apenas um debate de cidadãos fora de Paris – e recusou qualquer debate direto no primeiro turno com os outros 11 candidatos à presidência. Mas o presidente da França, de 44 anos, está pontuando fortemente nas pesquisas, com cerca de 30% dos votos pretendidos – mais de 10 pontos à frente de sua principal rival, a política de extrema direita Marine Le Pen. Por enquanto, as pesquisas também preveem que ele vencerá o segundo turno de 24 de abril por uma grande margem.

A guerra na Ucrânia melhorou especialmente a imagem de Macron como estadista europeu. O líder francês participou de um debate indireto com seus rivais esta semana, apresentado pela TF1 TV, que se concentrou no conflito e suas consequências. Analistas dizem que ele parecia estar acima da briga.

Além de Le Pen, os outros principais rivais de Macron incluem Jean-Luc Melenchon, de 70 anos, da extrema esquerda, com cerca de 14% dos votos pretendidos, e Valerie Pecresse, da centro-direita, com cerca de 11%. As classificações de outro analista de extrema-direita esperançoso, Eric Zemmour, caíram desde a invasão da Ucrânia pela Rússia, aparentemente por causa de suas posições pró-Rússia anteriores.

Mas Macron não foi um presidente popular e seu mandato de cinco anos foi marcado por crises. Primeiro, o movimento de protesto dos coletes amarelos em 2018 enviou dezenas de milhares de pessoas às ruas protestando contra os altos preços dos combustíveis e as desigualdades econômicas. Depois, a pandemia de COVID-19 que começou em 2020. Agora, a Ucrânia.

E à medida que o conflito e as sanções contra a Rússia avançam, analistas alertam que Macron – ou quem o suceder – pode enfrentar um descontentamento crescente mais uma vez, à medida que a França enfrenta preços mais altos de energia e possivelmente um influxo maciço de refugiados.

Fontes