1 de março de 2024

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Milhares de médicos estagiários sul-coreanos em greve desafiaram um ultimato para voltar ao trabalho enquanto continuam a protestar contra um plano do governo para aumentar as matrículas nas escolas de medicina.

As greves já causaram o atraso ou o cancelamento de centenas de cirurgias e tratamentos médicos, retardando o funcionamento dos hospitais no país, segundo o Ministério da Saúde e Bem-Estar da Coreia do Sul.

Os médicos tinham até quinta-feira para encerrar a paralisação, mas o prazo passou sem resolução. Os médicos em greve começaram a paralisação há quase duas semanas e continuaram apesar do risco de serem processados ​​e de suspensão das suas licenças médicas.

Em causa está o plano do governo de admitir mais 2.000 candidatos às escolas médicas no próximo ano para aumentar para 10.000 o número de novos médicos no país até 2035.

As autoridades dizem que o aumento é necessário para fazer face ao envelhecimento da população da Coreia do Sul e porque o país tem a proporção de médicos por população mais baixa dos países desenvolvidos.

Segundo os grevistas, o plano de admissão de novos estudantes não é sustentável porque as universidades não estão equipadas para acomodar e educar o número de novos estudantes. Eles dizem que o plano não consegue resolver a escassez de médicos em especialidades mal remuneradas, mas essenciais, como medicina de emergência e pediatria.

O vice-ministro da Saúde, Park Min-Soo, juntou-se aos esforços de negociação na quinta-feira, passando três horas em reuniões com grevistas, mas sem sucesso. Apenas cinco ou seis médicos estagiários compareceram dos 94 convidados pelas autoridades.

Fontes

editar