Lojas afegãs removem cabeças de manequins conforme ordem talibã

5 de janeiro de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 


Lojas de roupas na província de Herat no Afeganistão começaram a remover as cabeças dos manequins de exibição, em consonância com as novas diretrizes dadas pelo escritório local do Ministério do Talibã para orientação islâmica.

Obeidullah Yari, líder da comunidade empresarial local, disse à VOA na segunda-feira que cerca de 20% das lojas da capital provincial, também chamada Herat, já implementaram a ordem para escapar da punição.

O Ministério da Promoção da Virtude e do Vício da Prevenção, responsável por administrar a interpretação do Talibã sobre o Islã, decretou na semana passada que manequins de loja deveriam ter suas cabeças removidas por serem ofensivos ao Islã, advertindo que os infratores seriam punidos.

Proprietários de shoppings e vendedores de roupas inicialmente criticaram a diretiva talibã, dizendo à mídia afegã que manequins também eram usados para exibir roupas em outros condados islâmicos.

Aziz Rahman, o chefe provincial do ministério, disse à mídia local que ordenou aos lojistas que cortassem as cabeças de seus manequins porque "eles são ídolos". Ele continuou a explicar que o Islã proíbe a idolatria, ou a adoração de ídolos.

Autoridades talibãs também aumentaram o monitoramento de táxis públicos na capital, Cabul, para ver se os motoristas estão cumprindo as instruções do ministério relacionadas ao direito das mulheres de viajar.

O decreto exige que os motoristas carreguem apenas as passageiras que usam um lenço ou hijab islâmico e são acompanhados por um parente do sexo masculino se viajarem mais de 72 quilômetros. Também instrui os taxistas a deixar a barba, parar seus veículos em horários de oração e parar de tocar música enquanto dirigem.

O ministério também proibiu as mulheres afegãs de dirigir. Também ordenou que os canais locais parassem de exibir dramas e novelas com atrizes e âncoras de notícias femininas para usar hijabs enquanto estavam no ar.

O porta-voz do Talibã, Zabihullah Mujahid, em uma recente entrevista à televisão estatal afegã, defendeu as medidas tomadas pelo Ministério para a Promoção da Virtude e do Vício da Prevenção, dizendo que eles não devem ser uma questão de preocupação para ninguém porque "o Afeganistão é uma nação muçulmana e ninguém se opõe às leis islâmicas no país".

Mujahid disse, no entanto, que todos os "departamentos religiosos" do governo são instruídos a não "maltratar as pessoas e ser educados com elas" enquanto lhes dão orientações sobre o Islã.

O talibã ultraconservador recuperou o poder em agosto e nomeou um gabinete interino para governar o país devastado pelo conflito, em consonância com a interpretação estrita do Islã, apesar de se comprometer a não reverter para as duras polícias de seu regime anterior de 1996 a 2001.

O governo permitiu que os estudantes voltassem às aulas, mas as meninas de muitas províncias afegãs ainda estão esperando permissão para fazê-lo e a maioria das mulheres foram impedidas de voltar ao trabalho.

Quando os talibãs estavam no poder pela última vez, as meninas não tinham permissão para frequentar a escola e as mulheres eram impedidas de trabalhar, bem como da educação. O então Ministério para a Promoção da Virtude e Prevenção do Vício, ou a polícia moral, havia sido acusado de graves abusos de direitos humanos, levando ao isolamento do Afeganistão do mundo.

Mujahid disse que estavam sendo tomadas medidas para permitir que todas as meninas afegãs retomassem suas atividades educacionais, observando que estudantes de várias províncias já voltaram às aulas.

Os críticos, no entanto, são céticos quanto às garantias talibãs e dizem que o grupo está gradualmente trazendo de volta suas políticas repressivas do passado.

"Era esperado; mas eu teria recebido todos os funcionários deste ministério para se concentrarem na redução da pobreza, na entrega de ajuda e na retirada dos mendigos das ruas, alimentando-os e dando-lhes um emprego como sua primeira prioridade", tuitou Torek Farhadi, um ex-funcionário afegão.

Os Estados Unidos e a comunidade global em geral não reconheceram o novo governo talibã e suspenderam a maior parte da assistência financeira não humanitária ao país dependente da ajuda.

Os países estrangeiros continuam a recusar-se a abrir um compromisso político direto com o grupo islâmico até que garanta o respeito pelos direitos humanos, especialmente os das mulheres, governa o país de forma inclusiva e corta os laços com terroristas transnacionais.

Enquanto isso, o Afeganistão está no auge de uma grave crise humanitária decorrente de anos de guerra, seca e pobreza. As Nações Unidas alertaram repetidamente que mais da metade da população do país está enfrentando fome, com quase um milhão de crianças em risco de morrer por causa de uma "desnutrição aguda grave".

Fontes