Em Paris, Dilma diz que acusações de Valério a Lula são "lamentáveis"

Agência Brasil

Na imagem, da até então ministra Dilma Rousseff com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, no 51º Congresso da UNE (Conune), organizado pela União Nacional dos Estudantes, em 2009. Fotografia de Valter Campanato.

11 de dezembro de 2012

link=mailto:?subject=Em%20Paris,%20Dilma%20diz%20que%20acusações%20de%20Valério%20a%20Lula%20são%20"lamentáveis"%20–%20Wikinotícias&body=Em%20Paris,%20Dilma%20diz%20que%20acusações%20de%20Valério%20a%20Lula%20são%20"lamentáveis":%0Ahttps://pt.wikinews.org/wiki/Em_Paris,_Dilma_diz_que_acusa%C3%A7%C3%B5es_de_Val%C3%A9rio_a_Lula_s%C3%A3o_%22lament%C3%A1veis%22%0A%0ADe%20Wikinotícias Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Brasília - A presidenta Dilma Rousseff disse hoje (11), em Paris, que considera “lamentáveis as tentativas de desgastar” a imagem do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva ao comentar as novas declarações atribuídas ao publicitário Marcos Valério e publicadas pelo jornal O Estado de S. Paulo. De acordo com reportagem de hoje do jornal, Valério disse em depoimento à Procuradoria-Geral da República (PGR) que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva sabia do esquema do mensalão e que se beneficiou dele.

“É sabida minha admiração, o meu respeito e minha amizade pelo presidente Lula. Portanto eu repudio todas as tentativas – e essa não seria a primeira – de tentar destituí-lo da sua imensa carga de respeito que o povo brasileiro lhe tem”, respondeu Dilma, durante uma entrevista coletiva ao lado do presidente francês François Hollande, no Palácio do Eliseu.

Dilma está em visita oficial à França e participou mais cedo – ao lado do ex-presidente Lula - da abertura do Fórum pelo Progresso Social - O Crescimento como Saída para a Crise, na capital francesa. O evento foi organizado pelo Instituto Lula e pela Fundação Jean Jaurès.

“Essa é uma questão que devo responder no Brasil, mas não poderia deixar de assinalar que considero lamentáveis essas tentativas de desgastar a imagem do presidente Lula”, acrescentou.

De acordo com o jornal paulista, Valério disse no depoimento, em setembro passado, que Lula autorizou empréstimos dos bancos Rural e BMG para o PT com o objetivo de viabilizar o esquema de pagamento de propina a parlamentares, apurado na Ação Penal 470, o processo do mensalão.

O depoimento ocorreu quando Valério já havia sido condenado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) a mais de 40 anos de prisão pelos crimes de corrupção, peculato, evasão de divisas, formação de quadrilha e lavagem de dinheiro na ação penal.

Fontes