Eleições 2020: Trump continua insistindo na ilegalidade da eleição; Twitter impõe censura por "fake news"

7 de novembro de 2020

link=mailto:?subject=Eleições%202020:%20Trump%20continua%20insistindo%20na%20ilegalidade%20da%20eleição;%20Twitter%20impõe%20censura%20por%20"fake%20news"%20–%20Wikinotícias&body=Eleições%202020:%20Trump%20continua%20insistindo%20na%20ilegalidade%20da%20eleição;%20Twitter%20impõe%20censura%20por%20"fake%20news":%0Ahttps://pt.wikinews.org/wiki/Elei%C3%A7%C3%B5es_2020:_Trump_continua_insistindo_na_ilegalidade_da_elei%C3%A7%C3%A3o;_Twitter_imp%C3%B5e_censura_por_%22fake_news%22%0A%0ADe%20Wikinotícias Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Twitter marca mensagens de Trump

O ainda presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, continua usando seu Twitter para comentar as eleições presidenciais em seu país e continua, igualmente, não admitindo a derrota e insistindo na ilegalidade do processo.

Na sua mais recente postagem ele escreveu que "os observadores não foram permitidos nos centros de votação. Eu venci a eleição, ganhei 71 milhões de votos legais. Coisas ruins aconteceram que nossos observadores não foram autorizados a ver. Nunca aconteceu antes. Milhões de cédulas postais foram enviadas para pessoas que nunca pediram por elas".

Segundo a CNN em seu canal ao vivo no You Tube, no entanto, Trump está errado e não é a primeira vez que cédulas são distribuídas para facilitar o acesso ao voto, o que este ano isto foi ainda mais importante devido à pandemia de Covid-19 - enquanto Trump insistia na votação ao vivo durante a campanha, seu opositor Joe Biden pedia que as pessoas optassem pelo voto postal para evitar aglomerações.

Twitter censura postagens

Trump teve diversas postagens censuradas pelo Twitter nos últimos dias com o aviso de que "as informações compartilhadas podem ser contestáveis ou estar incorretas", conforme a Política de Integridade Cívica da rede social (leia aqui).

Notícias Relacionadas

Fontes