Eleição na Nigéria respeitou "princípios continentais", diz União Africana

União Africana • 30 de março de 2015

link=mailto:?subject=Eleição%20na%20Nigéria%20respeitou%20"princípios%20continentais",%20diz%20União%20Africana%20–%20Wikinotícias&body=Eleição%20na%20Nigéria%20respeitou%20"princípios%20continentais",%20diz%20União%20Africana:%0A//pt.wikinews.org/wiki/Elei%C3%A7%C3%A3o_na_Nig%C3%A9ria_respeitou_%22princ%C3%ADpios_continentais%22,_diz_Uni%C3%A3o_Africana%0A%0ADe%20Wikinotícias Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

A União Africana considerou hoje (30) que as eleições presidenciais na Nigéria, cujos resultados são esperados hoje (30), respeitaram “de modo satisfatório os princípios continentais e regionais das eleições democráticas”. A missão da União Africana, de observação das eleições (Aueom), considera, de acordo com avaliação preliminar, que “o processo eleitoral foi globalmente pacífico, durante o credenciamento (verificação biométrica da identidade dos eleitores), o voto e a contagem” dos boletins. Os trabalhos foram feitos “na presença de observadores internacionais, da sociedade civil e de partidos políticos”, segundo comunicado.

“O povo da Nigéria mostrou a sua paciência e a sua determinação em ter um processo democrático pacífico”, adiantou. A Aueom “incentiva todas as partes a recorrer aos meios legais existentes em caso de haver uma contestação dos resultados”. Além da missão da União Africana, acompanharam as eleições, sábado (28) e domingo, outras equipes de observadores, especialmente da União Europeia, das Nações Unidas e da Commonwealth.

Cerca de 69 milhões de eleitores foram chamados às urnas para escolher o presidente, os 109 senadores e os 360 deputados do país, o mais populoso de África, o primeiro produtor de petróleo e a primeira potência econômica do continente. Pela primeira vez, os eleitores foram identificados por meio de leitores de impressões digitais, com o objetivo de reduzir as fraudes que marcaram eleições anteriores.

Fontes