El Salvador: 147 prisões e 5 mortes denunciadas em regime de exceção

29 de abril de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

A organização de direitos humanos Cristosal denunciou 147 prisões e cinco mortes durante o regime de emergência imposto em El Salvador a pedido do presidente Nayib Bukele.

“Os sistemas de Monitoramento e Proteção de Direitos Humanos identificaram vários padrões de violações de direitos humanos cometidas por autoridades policiais, militares e do sistema judiciário durante o regime de emergência”, citou a agência em um comunicado à imprensa.

O documento, que avalia diferentes violações de direitos humanos durante os primeiros 30 dias de aplicação da medida pelo governo salvadorenho, menciona que foram processados ​​147 casos de prisões arbitrárias e cinco pessoas detidas mortas sob custódia policial.

Segundo Cristosal, os detidos sofrem “tratamentos cruéis, desumanos, degradantes e repetidas violações das garantias judiciais mínimas” em seus julgamentos.

A agência enfatizou que tanto o regime de emergência aprovado em 27 de março quanto sua prorrogação “não estão de acordo com a Constituição” e que a medida é “um mecanismo excepcional que deve ser utilizado em situações extremas e temporariamente”.

O Congresso de El Salvador, principalmente relacionado a Bukele, aprovou uma série de leis que limitam os direitos fundamentais da população, como o direito à defesa ou a presunção de inocência.

Outras reformas aumentaram as penas de prisão para suspeitos de membros de gangues e seus colaboradores. Além disso, os juízes agora podem julgar menores de até 12 anos como adultos.

Fontes