Egito: técnica de secar tomates ao sol aumenta lucro de produtores e evita desperdício

15 de fevereiro de 2021

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

Produtores do Egito, país que é o quinto maior produtor de tomates do mundo, estão apostando cada vez mais na técnica de secar o legume ao sol. O método evitará que o produto estrague e seja perdido, e que possa ser vendido por um preço maior e até exportado.

Com uma grande safra de tomates sendo produzida a cada ano, quando começa a amadurecer, para evitar que estrague e se transforme numa "perda total", os produtores em geral são forçados a vender o produto a preços abaixo do mercado, por cerca de US$ 0,30 o quilo. Já os tomates secos alcançam cerca de US$ 2,20 o quilo e, como se conservam mais, evitarão o desperdício do legume in natura, que segundo a FAO chega anualmente a 50% do toda safra no país.

A técnica, apoiada pelo Ministério da Agricultura, não precisa de investimentos significativos em equipamentos e treinamento: é necessário apenas um local onde o legume possa ficar ao sol durante um prazo de cerca de duas semanas.

Com cada vez mais produtores aderindo ao processo, o Egito já ocupa o 2º lugar, atrás apenas da Itália, na produção mundial de tomates secos ao sol.

Luxor, a capital do tomate seco ao sol

Luxor, cidade que fica a cerca de 650km do Cairo e que é responsável pela produção de oito milhões de toneladas de tomates todo o ano, o que significa 1/3 da safra do legume do país, acabou se transformando a "capital do tomate seco ao sol", já que, segundo a Associação de Agricultores de Luxor, quase 70% dos agricultores da cidade já aderiram ao processo.

A agricultura no Egito

Segundo a FAO, o Egito sempre se viu como uma nação agrícola, sendo o desenvolvimento da agricultura considerado um dever do Estado. O Setor Agrícola emprega diretamente cerca de 30% da força de trabalho e é responsável por cerca de 20% do total de exportações e receitas em moeda estrangeira, enquanto o país importa cerca de 40% dos alimentos necessários, gastando para isto cerca dee US$ 2,5 bilhões todos os anos.

Fontes