Covid-19: OMS diz que países ricos compraram estoque de vacinas e países pobres ficaram sem

9 de janeiro de 2021

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

Por VOA News

A Organização Mundial de Saúde (OMS) reportou que as nações ricas compraram a maior parte do atual suprimento das vacinas covid-19 disponível, deixando as nações mais pobres do mundo incapazes de consegui-la.

Na coletiva de imprensa regular da agência ontem em Genebra, o Diretor-Geral Tedros Adhanom Ghebreyesus disse que a iniciativa COVAX Facility assinou contratos para a aquisição de 2 bilhões de doses de vacinas que serão enviadas aos países mais pobres assim que forem entregues.

Tedros disse que a COVAX tem o direito de receber um bilhão de doses adicionais, mas que 42 países - 36 nações ricas e seis nações de “renda média” - estão operacionalizando programas de vacinação, o que não deixa nenhuma vacina adicional disponível para as nações mais pobres.

Para aumentar o problema, Tedros disse que os países de renda alta e média, que fazem parte do programa COVAX, estão fazendo acordos bilaterais para adquirir imunizantes adicionais. “Isso potencialmente aumenta o preço para todos e significa que as pessoas dos grupos de risco nos países mais pobres e marginalizados não receberão a vacina”, disse ele.

O chefe da OMS disse que o estoque de vacinas pelas nações mais ricas - que ele chama de “nacionalismo vacinal” - é autodestrutiva e fere o mundo inteiro. Por outro lado, Tedros disse que o compartilhamento equitativo de vacinas salva vidas, estabiliza os sistemas de saúde e ajudaria a economia global a se recuperar mais rapidamente.

Tedros enfatizou que a vacinação equitativa ajuda a reduzir a transmissão do Sars-Cov-2, o que também diminui a chance do vírus sofrer mutações.

Ele pediu aos fabricantes que priorizassem o fornecimento e distribuição de vacinas por meio da COVAX e instou os países que compraram mais vacinas do que o necessário a doar e liberar os imunizantes excedentes para o programa COVAX imediatamente.

Ele disse: "Lembre-se que acabar com a pandemia da covid-19 é uma das grandes corridas da humanidade e, gostemos ou não, vamos ganhar ou perder essa corrida juntos".

Fontes

Compartilhe
essa notícia: