Conselho Militar de Mianmar apoia invasão russa da Ucrânia

25 de fevereiro de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

A junta militar de Mianmar expressou nesta quinta-feira seu apoio à invasão da Ucrânia pela Rússia, colocando-se em desacordo com a maior parte da comunidade mundial que condenou a ação militar e decidiu introduzir sanções esmagadoras a Moscou.

Em entrevista à VOA birmanesa, o general Zaw Min Tun, porta-voz do conselho militar de Mianmar, citou as razões do apoio do governo militar à ação do presidente russo, Vladimir Putin.

“O número 1 é que a Rússia trabalhou para consolidar sua soberania”, disse ele. “Acho que esta é a coisa certa a fazer. O número 2 é mostrar ao mundo que a Rússia é uma potência mundial.”

Contra a junta militar de Mianmar, o governo no exílio divulgou uma declaração em apoio à Ucrânia na sexta-feira, dizendo no Twitter que "O Governo de Unidade Nacional da República da União de Mianmar condena os atos de guerra não provocados contra a Ucrânia e seu povo".

O governo paralelo chamou os ataques de “aterrorizantes” e disse que a "situação atual na Ucrânia é uma violação da Carta das Nações Unidas e do direito internacional e não é um bom exemplo no século 21. Além disso, será um grande obstáculo para a manutenção de paz internacional, segurança e desenvolvimento humano. Mianmar se solidariza com o povo da Ucrânia."

O líder do golpe, Min Aung Hlaing, visitou a Rússia em junho do ano passado e há fortes laços entre os militares birmaneses e russos. A Rússia é um dos poucos países que defendeu o conselho militar que tomou o poder em um golpe de 1º de fevereiro de 2021, derrubando o governo civil e detendo a líder de fato Aung San Suu Kyi e outras autoridades de alto escalão.

Desde então, especialistas da ONU e da Birmânia pediram repetidamente a proibição da venda de armas ao conselho militar, mas a Rússia ignorou o pedido.

Como justificativa para a tomada do poder em fevereiro, oficiais militares alegaram fraude generalizada nas eleições gerais de novembro de 2020, que a Liga Nacional para a Democracia de Suu Kyi venceu com folga. Os observadores eleitorais internacionais e locais verificaram que a votação de 2020 foi principalmente livre e justa, exceto por discrepâncias insignificantes.

Suu Kyi enfrentou uma série de acusações desde que foi detida quando os militares tomaram o poder. Ela já foi condenada a seis anos de prisão após ser condenada por importar e possuir ilegalmente walkie-talkies e violar as restrições do coronavírus.

Ela também está sendo julgada sob a acusação de violar a Lei de Segredos Oficiais, que prevê uma sentença máxima de 14 anos. O economista australiano Sean Turnell, que foi seu conselheiro, é co-réu.

No primeiro aniversário do golpe, os Estados Unidos anunciaram mais sanções a indivíduos e entidades associadas ao regime. Entre os sancionados estavam o procurador-geral da União Thida Oo, o presidente da Suprema Corte Tun Tun Oo e o presidente da Comissão Anticorrupção Tin Oo.

Fontes