Colômbia solicita à Venezuela esclarecer provável incursão armada em seu território

25 de julho de 2015

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

O Ministério das Relações Exteriores da Colômbia enviou uma nota ao Governo da Venezuela que vai ajudar a esclarecer se alegados agentes da Guarda Nacional (GNB), realizada na quinta-feira 23 de uma incursão armada na Colômbia, disseram autoridades.

Ministro dos Negócios Estrangeiros colombiano Maria Angela Holguin disse que este pedido visa as autoridades venezuelanas "a cooperar no presente inquérito para esclarecer o que tinha acontecido", informou a EFE.

Para investigar os factos relativos a uma suposta incursão armada supostos agentes da Guarda venezuelano teria feito na parte da manhã na quinta-feira em uma área rural do departamento colombiano de Norte de Santander.

Camponeses locais, disse que "os pressupostos militares vestindo camuflagem verde, 2 deles escondendo seus rostos com capuzes, apreendidos na residência de uma mulher e roubaram o dinheiro do JAC", ele disse na época o Provedor de Justiça da Colômbia .

De acordo com relatos locais, pelo menos 15 homens "ilegalmente detido um jovem de 18 anos, que já lançou o chão e fez um tiro perto da cabeça, bem como um dos 28". E eles tentaram prendê-los por supostamente fugiu com gasolina e contrabando de combustível diesel.

Além disso, "os pistoleiros supostamente questionou os habitantes da casa, a quem acusavam de guerrilheiros e pediu-lhes sobre a presença de grupos criminosos." E também arbitrariamente eles entraram várias casas, trazendo os camponeses. A denúncia foi formalmente feito pela Personalidade do município de Tibu (Norte de Santander)

O Provedor de Justiça acrescentou que a informação recolhida na área indicam que os assaltantes "tentou levar o país para os dois homens, que foi impedido pela comunidade."

Pedimos a Defensoria Pública realizar necessário determinar a veracidade das alegações e estabelecer mecanismos de cooperação para assegurar os direitos das pessoas que vivem nos inquéritos cidade fronteira.

Despacho do Ministério das Relações Exteriores ao Provedor de Justiça.

Fontes