Chefe de Direitos Humanos da ONU condena violência no Sri Lanka

10 de maio de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

A chefe de direitos humanos da ONU, Michelle Bachelet, pediu às autoridades do Sri Lanka que reduzam a violência, abordando a crise econômica do país por meio de um diálogo significativo.

Sete pessoas morreram em conflitos, mais de 250 ficaram feridas e propriedades foram queimadas. Liz Throssell, porta-voz de Bachelet, disse que a alta comissária está profundamente preocupada com os acontecimentos.

“A alta comissária condenou toda a violência e pediu às autoridades que investiguem de forma independente, completa e transparente todos os ataques que ocorreram”, disse Throssell.

A crise econômica é amplamente vista como a pior que o país enfrenta desde que o Sri Lanka conquistou sua independência da Grã-Bretanha em 1948. A terrível situação prejudicou severamente a capacidade das pessoas de atender às suas necessidades diárias e levou milhares a sair às ruas.

Throssell disse que está pedindo diálogo nacional e profundas reformas estruturais para resolver os problemas.

“A alta comissária instou o governo do Sri Lanka a se engajar em um diálogo significativo com todas as partes da sociedade para encontrar um caminho a seguir e abordar os desafios socioeconômicos que as pessoas, especialmente os grupos vulneráveis e marginalizados, estão enfrentando”, disse Throssell.

A alta comissária Bachelet pede às autoridades do Sri Lanka que evitem mais violência e protejam o direito à reunião pacífica. Ela disse que seu escritório continuará a observar os eventos no país e a relatar sobre eles.

Fontes