Chefe da ONU para Refugiados promete apoio aos refugiados em Camarões

29 de abril de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

O chefe de refugiados da ONU, Filippo Grandi, em visita a Camarões nesta semana, prometeu dar mais apoio aos deslocados centro-africanos e camaroneses que fogem da violência intercomunitária.

O Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados, Filippo Grandi, disse que a agência de refugiados da ONU (ACNUR) aumentará o apoio a quase 1,4 milhão de centro-africanos deslocados.

Grandi falou em uma conferência na capital de Camarões, Yaoundé, com ministros de Camarões, República Centro-Africana, Chade, República Democrática do Congo (RDC), República do Congo, Sudão do Sul e Sudão.

São todos países com pessoas deslocadas e refugiados da República Centro-Africana que fugiram dos combates contínuos desde 2013.

Os ministros prometeram continuar a apoiar os esforços de reconciliação em curso na RCA para que a paz retorne ao Estado para que os deslocados internos e os refugiados possam voltar para casa.

Grandi elogiou Camarões, que abriga cerca de metade dos refugiados da RCA.

Ele diz que Camarões abriga cerca de meio milhão de refugiados da República Centro-Africana, Nigéria e outros cidadãos que encontram recepção hospitaleira e paz no estado da África Central.

O ACNUR diz que cerca de 600.000 pessoas estão deslocadas internamente na República Centro-Africana, enquanto outras 700.000 fugiram para países vizinhos.

Olivier Fafa Attidzah é o representante da agência na RCA.

“Eles acreditam que podem encontrar segurança assim que saírem da República Centro-Africana, especialmente vindo para Camarões e outros países vizinhos como Chade, República Democrática do Congo, Sudão e Sudão do Sul”, expressou Oliver.

Os ministros que participaram da conferência de Yaoundé disseram que menos de 10% dos US$ 226 milhões necessários em 2022 para ajudar os centro-africanos deslocados foram arrecadados.

Eles instaram as agências doadoras e os Estados a contribuir com mais fundos.

Enquanto isso, o ministro da administração territorial de Camarões, Paul Atanga Nji, disse que o presidente Paul Biya ordenou que seu governo continuasse ajudando os refugiados em Camarões.

Nji diz que Camarões ajuda o ACNUR fornecendo assistência médica gratuita para todos os refugiados da África Central e educação gratuita para seus filhos. Nji diz que Camarões oferece segurança para todos os refugiados e terra para a construção de campos de refugiados.

A ONU diz que Camarões também abriga mais de 100.000 refugiados nigerianos que fugiram do terrorismo do Boko Haram.

O chefe de refugiados da ONU, Grandi, também visitou a fronteira norte de Camarões com o Chade e conheceu aldeões que fugiram da violência intercomunitária entre agricultores, pecuaristas e pescadores em dezembro.

A ONU disse que mais de 100.000 camaroneses fugiram pela fronteira para o Chade, onde a maioria permanece.

Fontes