Camarões culpa guerra na Ucrânia por aumento de preços dos alimentos

Agência VOA

16 de agosto de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Autoridades em Camarões estão pedindo às pessoas que comam alimentos locais em vez de importados, após protestos contra a escassez e os aumentos de preços causados ​​em parte pela invasão da Ucrânia pela Rússia. Na semana passada, o presidente Paul Biya ordenou aos ministros que explicassem ao público que o bloqueio russo ao Mar Negro, e não os impostos locais, causou um aumento de quase 60% nos preços de fertilizantes e alimentos importados.

Centenas de pessoas, a maioria mulheres, ouviram as explicações oferecidas por funcionários do governo enviados ao mercado Mfoundi na capital Yaoundé. Harouna Nyandji Mgbatou, o principal funcionário do primeiro distrito de Yaoundé, pediu ao público que consuma alimentos cultivados localmente, que, segundo ele, são mais baratos que os importados.

Asta Koumam, uma técnica de laboratório médico de 30 anos, estava entre os que ouviam. Ela disse que o preço de um litro de óleo vegetal importado passou de menos de dois dólares para cerca de três e meio. Ela disse que ela e seus filhos decidiram medir o óleo vegetal em uma colher, não importa a quantidade de comida que estejam cozinhando, porque não conseguem lidar com o aumento dos preços dos alimentos.

O ministro da Administração Territorial, Paul Atanga Nji, delineou o alcance do problema. Nji disse que um saco de 50 quilos de arroz importado, vendido a US$ 25 em fevereiro, agora é vendido a US$ 55. Ele disse que a mesma quantidade de arroz cultivada em Camarões teve um aumento de preço de 5%, para US$ 25, porque o preço do fertilizante importado da Ucrânia e da Rússia também aumentou de US$ 30 para mais de US$ 70.

O Ministério do Comércio de Camarões informa que o país da África Central importou mais de 850.000 toneladas de cereais da Rússia e da Ucrânia em 2020. Em contraste, a União de Importadores de Camarões disse que menos de 45.000 toneladas foram importadas desde janeiro deste ano.

Na semana passada, cinco funcionários do governo, incluindo os ministros da agricultura, comércio, finanças e minas, realizaram uma entrevista coletiva para explicar as consequências da guerra da Rússia na Ucrânia. A conferência de imprensa, ordenada pelo presidente Biya, foi para ajudar a reprimir os protestos contra os aumentos de preços em várias cidades e vilarejos em Camarões.

Rene Emmanuel Sadi, porta-voz do governo de Camarões, disse que Yaoundé suspendeu provisoriamente a exportação de cereais, óleo de palma e outros alimentos básicos para os países vizinhos para garantir que haja comida suficiente para sua própria população. Ele disse que o governo também removeu ou suspendeu as taxas de importação e impostos sobre arroz, peixe, óleo de palma e material de construção para proteger os consumidores da disparada dos preços.

Julienne Gregoire Onguene Ateba, economista e especialista em transporte e logística internacional do porto de Camarões em Douala, disse que a situação atual poderia ter sido evitada com mais previsão. Ele disse que se o governo de Camarões tivesse investido na produção local, especialmente de alimentos, como os economistas sugeriram para amortecer os efeitos da pandemia de covid-19, a população poderia ter sido poupada dos picos de preços e da escassez de alimentos resultantes da guerra da Rússia na Ucrânia.

Em julho, o governo de Camarões pediu ajuda alimentar de emergência para mais de dois milhões de pessoas que passam fome. As autoridades disseram que os civis indigentes ameaçados pela insegurança alimentar ao longo das fronteiras do norte com o Chade e a Nigéria estão achando especialmente difícil lidar com o aumento dos preços.

Notícias Relacionadas

Fontes