CPJ insta Paquistão a investigar assassinato de jornalista

20 de março de 2021

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

O Comité para a Proteção de Jornalistas (CPJ), órgão de vigilância da media global exigiu que as autoridades da província de Sindh, no sul do Paquistão, conduzam urgentemente uma investigação "confiável" e prendam os responsáveis pelo assassinato de um jornalista nesta semana.

A polícia e testemunhas disseram que Ajay Kumar Lalwani, 31, estava sentado numa barbearia na cidade de Sukkur, na província de Sukkur, na noite de quarta-feira, 17 de Março, quando desconhecidos numa moto e um carro com quatro passageiros abriram fogo contra ele.

Lalwani, um correspondente local de notícias gerais de um jornal privado em língua urdu, sofreu vários ferimentos de bala e morreu num hospital na noite de quinta-feira.

"A polícia da província de Sindh não deve perder tempo na investigação do assassinato do jornalista Ajay Lalwani e na prisão dos responsáveis", disse Steven Butler, do grupo de defesa de Washington, Comitê para a Proteção de Jornalistas (CPJ), em comunicado.

A polícia de Sukkur anunciou na sexta-feira, 19, a formação de uma equipa para investigar o assassinato, mas nenhum progresso foi relatado. Os agentes insistiram que não se sabia imediatamente se Lalwani foi morto por causa do seu trabalho jornalístico, dizendo que estavam em processo de recolha de provas e registo de depoimentos de testemunhas para apurar a causa do crime.

"É fundamental que a investigação seja conduzida por agentes que consigam manter a confiança do público, dada a longa história de tensões entre jornalistas locais e a polícia em Sukkur", disse Butler, director do programa do CPJ para a Ásia.

Segundo o CPJ, Ashiq Jatoi, editor do Daily Puchano, para o qual o repórter assassinado trabalhava, disse que acreditava que o assassinato de Lalwani estava relacionado com os seus deveres profissionais. Ele citou ameaças anteriores contra o jornalista, mas não deu mais detalhes.

Jatoi também lançou dúvidas sobre a imparcialidade da equipa de investigação, citando um histórico de tensão entre a polícia e jornalistas em Sukkur.

O CPJ observou na sua declaração que jornalistas em Sukkur realizaram repetidas manifestações contra a polícia municipal para protestar contra a apresentação de acusações anti-estaduais contra jornalistas que relatam suposta corrupção. Em alguns casos, a polícia recorreu à violência para reprimir a campanha de protesto, disse.

No ano passado, pelo menos dois jornalistas foram sequestrados e assassinados em Sindh.

Os seus empregadores e familiares reclamaram que os repórteres foram mortos por expor supostas ligações entre a polícia local e traficantes de drogas e por documentar práticas corruptas do governo provincial nas suas reportagens.

Apesar das repetidas promessas públicas de punir os perpetradores, o governo Sindh até ao momento não relatou nenhum progresso nas investigações.

O Paquistão há muito é considerado um lugar perigoso para jornalistas, de acordo com o CPJ, e os envolvidos em ataques a jornalistas raramente são punidos. Em 2020, o país do sul da Ásia ficou em nono lugar no Índice de Impunidade Global anual do CPJ, que avalia os países onde jornalistas são mortos regularmente e os seus assassinos ficam em liberdade, com 15 assassinatos não resolvidos.

Fontes