CPJ denuncia 30 jornalistas feridos no Peru

17 de novembro de 2020

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

Recentes protestos contra a remoção do presidente Martín Vizcarra no Peru, pelo menos 35 jornalistas feridos que cobriam as manifestações, disse o Comitê para a Proteção de Jornalistas ( CPJ) em um comunicado à imprensa.

“Policiais atacaram membros da imprensa com gás lacrimogêneo, chumbinhos e outros artefatos enquanto cobriam os protestos após o impeachment do presidente Martín Vizcarra em 9 de novembro, ferindo pelo menos 35 jornalistas”, informou o CPJ.

“As autoridades peruanas devem garantir que os jornalistas possam cobrir as manifestações livremente e sem danos ou represálias das forças de segurança ou manifestantes”, disse Natalie Southwick, Coordenadora do Programa para a América Central e do Sul no CPJ.

Pelo menos dois manifestantes morreram no meio das manifestações, que levaram à renúncia do presidente interino Manuel Merino no domingo, 15 de novembro.

Em entrevista, Zuliana Lainez, secretária geral da Associação Nacional de Imprensa do Peru, disse que "os manifestantes foram responsáveis ​​por um pequeno número de ataques à imprensa" e que a polícia cometeu "os noventa porcentagem" de tais ataques.

No meio da tarde da segunda-feira, o Congresso peruano elegeu o deputado Francisco Sagasti para chefiar o Conselho de Administração. Sagasti, de 76 anos, venceu a disputa por 97 votos a favor, 26 contra e 0 abstenções.

O CPJ informou que não recebeu resposta a seus telefonemas e emails ao Ministério do Interior e à Polícia Nacional solicitando comentários sobre os acontecimentos.

Fontes