COVID-19: EUA diminuirão as restrições para viajantes

20 de setembro de 2021

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

Os Estados Unidos disseram na segunda-feira que, a partir do início de novembro, diminuirão as restrições para viajantes estrangeiros que chegam ao país.

As viagens estrangeiras aos EUA foram em grande parte restringidas durante a pandemia de COVID-19, mesmo com as nações europeias nos últimos meses reduzindo as restrições aos viajantes americanos antes da temporada de férias de verão.

De acordo com a nova política dos EUA, o coordenador da pandemia na Casa Branca, Jeff Zients, disse que os viajantes estrangeiros terão permissão para entrar no país novamente se puderem comprovar que foram totalmente vacinados antes de embarcarem no voo e apresentarem um teste negativo três dias antes da viagem.

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, aplaudiu a ação dos EUA, dizendo que os viajantes estrangeiros poderão chegar aos EUA antes do feriado anual de Ação de Graças, celebrado este ano em 25 de novembro.

“Isso é ótimo”, disse Johnson. “Agradeço ao presidente (Joe Biden) pelo progresso que conseguimos fazer.”

O grupo comercial US Travel Association também saudou a medida, dizendo que "ajudará a reviver a economia americana".

“Este é um grande ponto de viragem na gestão do vírus e irá acelerar a recuperação de milhões de empregos relacionados com viagens que foram perdidos devido a restrições de viagens internacionais”, disse o presidente e CEO da US Travel Association, Roger Dow, numa declaração na segunda-feira.

Viajantes totalmente vacinados não precisarão ser colocados em quarentena, como tem sido o caso em alguns países estrangeiros.

Mas a administração de Joe Biden, em seu esforço para vacinar milhões de americanos, disse que os não vacinados que voltam do exterior precisarão ser testados um dia após o voo e novamente depois de voltarem para casa.

Mais de 181 milhões de americanos foram totalmente vacinados, de acordo com autoridades de saúde do governo, mas estima-se que 70 milhões de pessoas elegíveis para a vacina até agora recusaram, por uma razão ou outra, ser vacinadas.

Fontes