Boko Haram reivindica responsabilidade pelo sequestro de 333 estudantes nigerianos

15 de dezembro de 2020

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

O grupo terrorista nigeriano Boko Haram assumiu a responsabilidade na terça-feira pelo sequestro de mais de 300 estudantes na última sexta-feira no noroeste da Nigéria.

As autoridades nigerianas ainda não responderam à reclamação. No entanto, o governador do estado de Katsina disse na segunda-feira que começou a negociar com os sequestradores.

"Somos da opinião que (Boko Haram) não realizou o sequestro", disse Adamu. "Foi feito por bandidos, mas é sabido que (o) grupo tentou recrutá-los."

Boko Haram e seu grupo dissidente, o Estado Islâmico da Província da África Ocidental, operam predominantemente no nordeste da Nigéria, enquanto os bandidos inicialmente culpados pelo ataque operam no noroeste do país.

Mas as alegações do Boko Haram levantam preocupações de que o grupo possa estar expandindo sua campanha de terror para outras regiões, disse Adamu.

Pelo menos 333 alunos ainda estão desaparecidos depois que alguns dos meninos escaparam em segurança na noite do ataque.

As forças de segurança nigerianas disseram na segunda-feira que cercaram um esconderijo suspeito de ser o covil dos sequestradores. No entanto, grupos de direitos humanos continuam a apontar o dedo às autoridades, dizendo que a corrupção no governo permitiu que o terrorismo perdurasse na Nigéria.

Na semana passada, o Tribunal Criminal Internacional disse que vai lançar uma investigação completa sobre os crimes de guerra cometidos por Boko Haram e os militares nigerianos após vários telefonemas de grupos como a Anistia Internacional.

"Esses ataques são crimes de acordo com o direito internacional", disse Seun Bakare, porta-voz do grupo de direitos humanos. “Eles são um ataque direto ao direito à educação, e o governo deve resgatar rapidamente esses alunos e, além disso, trazer os criminosos para a autuação”.

O presidente nigeriano, Muhummadu Buhari, prometeu priorizar a luta contra a insurgência durante sua campanha para o cargo em 2015. Mas, cinco anos depois, a situação de segurança do país continua piorando.

Fontes