Autoridades chinesas suspendem emissões da BBC no país

11 de fevereiro de 2021

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

Decisão surge depois da emissora britânica apresentar relatório com testemunhos chocantes de tortura e violência sexual contra mulheres uigures

A agência chinesa de meios de comunicação proibiu, nesta quinta-feira, 11, as emissões do Serviço Mundial da BBC no país por "grave violação" das diretrizes oficiais sobre a cobertura jornalística.

A decisão surge depois de no dia 3 de fevereiro a emissora britânica ter divulgado um relatório com testemunhos chocantes de tortura e violência sexual contra mulheres uigures em campos de detenção chineses.

A região abriga a minoria uigur, principalmente muçulmana, e tem visto uma forte repressão à segurança pelas forças chinesas nos últimos anos, em resposta à agitação separatista.

O relatório descreveu tortura por choque elétrico, incluindo estupro anal por guardas usando bastões eletrificados. Mulheres foram vítimas de estupro coletivo e esterilização forçada, disseram testemunhas.

A agência que administra a imprensa afirmou que a BBC violou "a exigência de que o jornalismo seja verdadeiro e justo" e também de "não prejudicar os interesses nacionais da China, e justificou que por isso "não permite que a BBC continue a retransmitir na China e não aceita a renovação da sua permissão anual".

O governo britânico, por sua vez, qualificou a proibição chinesa como um "atentado inaceitável à liberdade de imprensa".

Fontes