Argentina: do calor intenso à neve

19 de janeiro de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Após dias de calor intenso, com recordes históricos - em Buenos Aires, por exemplo, os termômetros marcaram 41,1°C no dia 11 passado, a segunda temperatura mais alta desde 1906 e a maior desde 1995 - a Argentina se vê agora às voltas com neve. Sim, neve!

O fenômeno está sendo provocado por uma massa de ar frio, que no entanto não avançará para o norte e tampouco terá longa duração. Segundo o portal Meteored Argentina, a massa fria foi impulsionada para o centro da Argentina por um clássico sudestada, fenômeno meteorológico comum no país, quando os ventos sopram do sudeste por sobre a região do Rio da Prata.

Apesar de extremos de temperatura serem esperados no país, que é mais quente no centro-norte e mais frio no sul, onde é vizinho da Antártica, na Patagônia, onde especificamente está nevando, fez mais de 40ºC na semana passada - mais especificamente, fez 44ºC na cidade de San Antonio Oeste. Segundo a Metsul, na segunda-feira houve queda de neve no Cerro Chapelco, na Ruta de los Siete Lagos, no norte de Neuquén, em Caviahue, Copahue, Villa Pehuenia e Moquehue.

“De acordo com o Serviço Meteorologico Nacional (SMN), as mínimas [ontem] foram de -0,6ºC em Paso de Indios, 0,3ºC em Esquel, 2,0ºC em Calafate, 2,1ºC em Bariloche, 3,9ºC em Maquinchao, 5,0ºC em Ushuaia e 5,6ºC em Perito Moreno”, reportou a Metsul.

Já em San Antonio Oeste ontem fez só de 8,2ºC, uma temperatura mais de cinco vezes inferior a de dias atrás.

Notícias Relacionadas

Fontes