Aldeões camaroneses protestam contra violência do Boko Haram

9 de maio de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Aldeões ao longo da fronteira norte de Camarões com Chade e Nigéria têm realizado protestos diários em frente a escritórios do governo exigindo que os militares intervenham e enviem tropas em áreas onde os ataques do Boko Haram aumentaram. Manifestantes dizem que apenas nas últimas três semanas, pelo menos 35 moradores foram mortos após um suposto ataque do grupo militante islâmico

Líderes de vilarejos culpam os combatentes islâmicos do grupo terrorista Boko Haram por matar pelo menos 35 pessoas nas últimas três semanas e roubar gado e comida. Eles arrecadaram dinheiro para os aldeões viajarem para a capital regional, Maroua, para buscar ajuda das autoridades.

O pastor Joseph Bayoha, da Igreja Evangélica de Camarões em Tourou, uma vila na fronteira com a Nigéria, disse que os moradores vieram dizer ao governador que dificilmente passa um dia sem relatos de combatentes do Boko Haram abusando ou matando civis e roubando sua comida e gado.

Bayoha disse que os moradores do norte de Camarões querem que o governo envie tropas imediatamente para protegê-los e suas propriedades e trazer de volta a paz, acrescentando que se sentem abandonados pelos militares e governo de Camarões para enfrentar o Boko Haram sozinho.

Os líderes das aldeias disseram que o Boko Haram se infiltrou nas cidades do norte.

Midjiyawa Bakari, governador da região do extremo norte de Camarões, disse à emissora estatal Camarões Radio Television que os aldeões não foram abandonados pelos militares, como afirmam.

Ele disse que o presidente de Camarões, Paul Biya, considera legítimos os pedidos por mais deslocamentos de tropas e deve estar pronto para colaborar com as tropas que já estão a caminho para reforçar a presença militar ao longo da fronteira.

Bakari acrescentou que Biya ordenou assistência financeira e material às milícias da aldeia que colaboram com as tropas no combate ao grupo terrorista Boko Haram. Ele não deu detalhes sobre a assistência ou quanto dinheiro as milícias receberiam.

Bakari disse que muitos jovens que desertaram do Boko Haram após a morte de seu líder, Abubakar Shekau, no ano passado e podem estar voltando ao grupo por falta de empregos.

Ele implorou a eles que fossem pacientes e disse que o governo pretende fornecer subsídios aos militantes que se renderem para que possam trabalhar na agricultura.

No sábado, as forças armadas de Camarões rejeitaram reportagens da mídia local alegando que tropas destinadas ao Extremo Norte foram enviadas para combater rebeldes nas regiões ocidentais.

Os militares disseram que as tropas estão de prontidão para proteger os civis onde e quando for necessário.

Fontes