UE fornecerá à Ucrânia 500 milhões de euros para a compra de armas pesadas

13 de maio de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

O chefe da diplomacia europeia, Josep Borrell, anunciou os planos da União Europeia de fornecer adicionalmente a Kiev 500 milhões de euros para a compra de armas pesadas para repelir a invasão militar russa da Ucrânia. Armas pesadas geralmente significam sistemas de defesa aérea, navios, aviação e veículos blindados.

Borrell anunciou a próxima parcela em dinheiro na sexta-feira em uma reunião de representantes da UE e do G7 (G7) na cidade de Weissenhaus, no norte da Alemanha. Durante a reunião dos ministros das Relações Exteriores do G7, Borrell especificou que essa ajuda iria para a compra de tanques e artilharia por Kiev.

Antes do início da reunião na Alemanha, o ministro das Relações Exteriores da UE também expressou confiança de que a UE, apesar das objeções da Hungria, também poderá aprovar um embargo ao fornecimento de petróleo russo.

Mais cedo, a Bloomberg informou que vários países da UE estão propondo adiar a decisão sobre o embargo para não retardar a promulgação de outras disposições do sexto pacote de sanções.

A decisão pode ser tomada na segunda-feira, 16 de maio, quando as sanções serão discutidas em nível de chanceleres da UE. O ministro das Relações Exteriores da Ucrânia, Dmitry Kuleba, também foi convidado para a discussão.

Assim, o montante total do apoio financeiro à Ucrânia da União Europeia chegará a 2 bilhões de euros. É verdade que alguns diplomatas na Europa indicam que a parcela deve ser aprovada por todos os 27 países membros, mas alguns deles podem discordar de uma alocação tão significativa.

“Este será um momento crítico em que veremos se a UE manterá sua unidade ou se será dividida”, disse Kuleba. “Putin vem tentando há anos conseguir exatamente isso: dividir a unidade da União Europeia sobre sua política em relação à Ucrânia.”

Ao mesmo tempo, o chefe do Ministério das Relações Exteriores da Ucrânia observou na sexta-feira que a autoridade de Kiev ainda está pronta para continuar as negociações com Moscou para encontrar uma solução diplomática para a crise, bem como liberar grandes estoques de grãos destinados à exportação. e bloqueado em instalações de armazenamento ucranianas como resultado das hostilidades. Ao mesmo tempo, Dmitry Kuleba destacou que a Rússia “prefere a guerra às negociações”, e as autoridades ucranianas ainda não receberam sinais positivos do Kremlin.

“Estamos prontos para negociar, mas estamos prontos para um diálogo razoável baseado no respeito mútuo, e não para que a Rússia jogue ultimatos na mesa”, concluiu Kuleba.

Fontes